Após renúncia de ministro, governo grego estuda nomes para Finanças

Entre os nomes que estão sendo cotados como possíveis candidatos estão o ex-comissário europeu Stavros Dimas e o ex-ministro do Interior Tasos Giannitsis

Álvaro Campos, da Agência Estado,

25 de junho de 2012 | 16h02

ATENAS - O economista Vasilios Rapanos, anunciado no fim da semana passada como novo ministro de Finanças da Grécia, renunciou ao cargo nesta segunda-feira, 25, em função de problemas de saúde. Em uma carta enviada para o primeiro-ministro, Antonis Samaras, ele diz que "o estado da minha saúde não está na condição que me permitiria exercer integral e adequadamente minhas obrigações".

Em uma entrevista para a emissora Mega TV, o porta-voz do governo Simos Kedikoglou disse que Rapanos conversou com Samaras na sexta-feira passada e disse que tinha uma "situação crônica" de saúde, mas que havia aprendido a conviver com ela e que isso não afetaria sua capacidade de assumir o estressante cargo de ministro de Finanças. De acordo com essa porta-voz, um substituto não deve ser anunciado hoje.

Entre os nomes que estão sendo cotados como possíveis candidatos estão o ex-comissário europeu Stavros Dimas e o ex-ministro do Interior Tasos Giannitsis. Também são cogitados o ministro do Desenvolvimento, Kostis Hatzidakis, e o economista Yannis Stournaras, diretor-geral da Fundação para Pesquisa Econômica e Industrial (IOBE, na sigla em grego).

Rapanos, de 64 anos, é presidente não executivo do National Bank of Greece, o maior banco do país, e estaria enfrentando forte pressão da sua família para não aceitar o cargo de ministro de Finanças, em função da sua debilitada saúde. Ele foi hospitalizado na sexta-feira, após desmaiar em seu escritório.

Poucas horas após a renúncia, uma fonte do hospital Hygeia disse à Reuters que Rapanos passou por uma gastroscopia e uma colonoscopia, que mostraram que "tudo está completamente normal". No comunicado oficial, o hospital afirma que ele deve receber alta amanhã.

As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
criseeuroGrécia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.