Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Após romper a barreira de R$ 1,70, dólar tem queda moderada

Moeda norte-americana é cotada a pouco mais de R$ 1,70, em queda de 0,29%; Bovespa tem leve baixa

Agência Estado,

22 de fevereiro de 2008 | 15h39

O amplo leque de fundamentos favoráveis ao Brasil, reforçando o caminho que pode levar o País ao investment grade ainda este ano, continua alimentando o mercado doméstico nesta sexta-feira. O dólar chegou a romper momentaneamente o patamar de R$ 1,70, o que levou o Banco Central a fazer leilão de compra ainda pela manhã.    Veja também:  O sobe-e-desce do dólar   Mesmo que a cotação da moeda norte-americana tenha ido às máximas depois disso, continua em queda ante o fechamento de quinta-feira e no mais baixo valor desde maio de 1999. Às 15h30, o dólar caía 0,29%, cotado a R$ 1,706.   A Bovespa mostra pequena queda, fruto de realização de lucros, considerada tímida. Impulsionados pelos bons fundamentos domésticos e pela expectativa que o investment grade está muito perto de ser alcançado, os investidores têm medo até de realizar lucros.   Num dia de agenda fraca no exterior e aqui e de baixa nas bolsas internacionais, o Ibovespa manteve o fôlego durante a manhã e na máxima subiu 1,19%, voltando a reconquistar pelo segundo dia seguido os 64 mil pontos.   Nos outros mercados, as notícias também não poderiam estar sendo melhores. O receio de ser atropelado por mais uma grande boa notícia é a explicação dada pelos operadores para essa realização moderada de lucros na Bovespa, que reverteu o sinal de alta no início da tarde e às 15h35 cedia 0,13%. "O que surpreende é essa realização estar sendo fraquinha", diz um analista.   O que puxa esse movimento de correção de preços são as blue chips Vale e, principalmente, Petrobras, na esteira do que acontece no mercado de commodities. Após a forte alta de ontem, quando o cobre e o alumínio bateram as máximas de 22 meses, os preços dos metais básicos estão realizando lucros.   E as ações preferenciais da Vale, que chegaram a subir mais de 1% logo cedo, operavam em baixa de 0,54% às 13h31, com o mercado aparentemente já tendo absorvido o acordo fechado com o grupo chinês Baosteel de reajuste de 65% e 71% para os preços do minério. Havia forte expectativa em torno dessa negociação com os chineses porque eles são os maiores consumidores da Vale. Agora, superado esse risco, a Vale pode concentrar esforços na negociação com a Xstrata, segundo os especialistas.

Tudo o que sabemos sobre:
Bovespadólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.