Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Gabriela Bilo/Estadao
Gabriela Bilo/Estadao

Após subir 6% em julho, Bolsa fecha pregão em queda nesta quarta-feira

Índice corrige alta do mês e tem queda de 0,98% aos 77.362 mil pontos; dólar fecha estável, cotado a R$ 3,8460

O Estado de S.Paulo

18 de julho de 2018 | 17h17

A Bolsa fechou o pregão desta quarta-feira, 18, no cenário negativo, com queda de 0,98% aos 77.362 mil pontos. Na mínima do dia, o Ibovespa chegou a cair 1,17%, aos 77.214,33 pontos. O desempenho da bolsa brasileira é considerado essencialmente uma correção de ganhos recentes, uma vez que o Ibovespa acumula ganhos superiores a 6% em julho. O dólar fechou o dia estável, cotado a R$ 3,8460.

+ UE aplica multa recorde de R$ 19,3 bi contra Google em caso Android

A queda da Bolsa foi determinada pela baixa de blue chips (empresas mais negociadas) como Petrobras ON (-1,14%) e Itaú Unibanco PN (-0,58%).  O Livro Bege, termômetro do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) sobre como está a atividade na maior economia do mundo divulgado hoje, teve reação bastante tímida nos preços dos ativos. 

+ 'Efeitos persistentes da greve' pioram perspectiva de crescimento no Brasil, diz FMI

No mercado de câmbio, depois de passar o período da manhã em alta, o dólar ingressou rapidamente num movimento de queda ante o real no fim da tarde e depois ficou estável. Perto do fechamento, a moeda era cotada aos R$ 3,8460. Apesar da estabilidade, agentes do mercado já veem a moeda acima dos R$ 4,00.

+ Big Mac no Brasil é o mais caro do mundo, aponta índice

O movimento coincide com o enfraquecimento da divisa americana ante moedas emergentes e de países exportadores de commodities, depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que foram boas as negociações em torno do Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta). Trump afirmou ainda que, mesmo assim, pode haver um acordo comercial separado com o México e o Canadá.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.