coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Após subir em março, IGP-10 deve desacelerar, avalia FGV

Após forte alta em março, o Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10) deve desacelerar, indicou nesta segunda-feira, 17, o superintendente adjunto de Inflação do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), Salomão Quadros. Para ele, o índice deve ficar abaixo de 1%, sendo que haverá de dois a três meses de recuo.

MARIANA SALLOWICZ, Agencia Estado

17 de março de 2014 | 16h45

"Acho que para repetir esse resultado, acima de 1%, tem que acontecer algum impacto (de preço) mais forte. Pelas informações que tenho até o momento, não devemos ter um segundo mês como esse", comentou. A FGV anunciou nesta segunda-feira que o IGP-10 variou 1,29% neste mês, ante os 0,30% de fevereiro.

"O IGP pegou em cheio a alta dos produtos agrícolas, mas acredito que, mesmo que ainda suba um pouco, não será na mesma velocidade", disse. Ele cita que a perda da safra de soja, por exemplo, deve ficar em torno de 2%. "Com a perda nessa proporção, o preço não precisa subir tanto", diz. Quadros afirma que, apesar disso, o preço de produtos intermediários continuará subindo e haverá também mais impacto no preço dos processados. "Não vem um IGP tão forte, mas o efeito não se desfaz imediatamente. Será uma volta gradativa".

Tudo o que sabemos sobre:
IGP-10FGVmarçoSalomão Quadros

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.