Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Após tensão, mercados voltam a se recuperar

Após a tensão vivida pelos mercados internacionais na segunda-feira com o temor de alta nos juros dos Estados Unidos, os mercados financeiros internacionais operam mais tranqüilos nesta terça-feira. Alguma bolsas da Ásia encerraram o pregão em alta leve, enquanto outras tiveram pequenas quedas. Na Europa os principais mercados acionários operam em alta, enquanto os futuros das bolsas de Nova York permanecem em valorizações modestas. Apesar da tendência positiva, o sentimento de cautela externa deve persistir.Em Tóquio, a bolsa encerrou o pregão em queda de 1,6%. Nas Filipinas, queda de 4% e em Taiwan, baixa de 1,4%. A Bolsa da Índia subiu 3,3%, conseguindo reverter parte das perdas das três sessões anteriores. A Bolsa de Londres abriu em alta de 0,61%. Em Zurique, alta de 1,02%. Já em Frankfurt,a Bolsa iniciou o dia com valorização de 0,55%. Na Rússia, a Bolsa avançava 2,6%, após o tombo de 9% da segunda-feira. Em Istambul, um alerta do FMI mantém a bolsa no negativo, com queda de 2,5%. Os mercados brasileiros devem abrir também com sinal positivo, dando seqüência ao ensaio de reação já registrado na tarde da última segunda, quando a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em baixa de 3,2%, reduzindo em mais de dois pontos a queda de 5,4% atingida no pior momento do pregão.Estados UnidosEnquanto esperam por um eventual comentário do presidente do Federal Reserve (Fed, o Banco Central norte-americano), Ben Bernanke, sobre a política monetária, os futuros de Wall Street sinalizavam alta por volta das 9 horas da manhã de Brasília. O S&P 500 subia 0,45% e o Nasdaq, 0,41%. O presidente do Fed deve se pronunciar por volta das 11 horas. Inicialmente o assunto deve ser educação, porém, após os resultados do mercado da última segunda-feira, é esperado algum tipo de esclarecimento.

Agencia Estado,

23 de maio de 2006 | 09h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.