Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Após três meses de alta, inflação fica estável em SP

Após três meses de sucessivas altas, morar na cidade de São Paulo ficou mais barato. Pelo menos é isso o que aponta o Índice de Custo de Vida (ICV), calculado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudo Socioeconômico (Dieese), que fechou abril com retração de 0,06%. No mês anterior, havia sido registrada alta de 0,52%. Em fevereiro, o indicador havia ficado em 0,12%, ao passo que, em janeiro, a inflação no município era de 0,72%. Segundo o instituto, o estímulo para a alta da inflação nos primeiros três meses do ano, estava, entre outras coisas, na pressão que os combustíveis vinham exercendo sobre o orçamento das famílias paulistanas.De acordo com a coordenadora do ICV-Dieese, Cornélia Nogueira Porto, foram os alimentos que mais contribuíram para a queda do indicador em abril. O grupo encerrou o mês passado com uma queda de 0,69%, contribuindo negativamente com 0,17 ponto porcentual para a composição da deflação. Somente os alimentos in natura e semi-elaborados ficaram 1,26% mais baratos no mês. O conjunto das frutas ficou 3,49% mais barato, reflexo da queda de 13,73% no preço cobrado pela maçã, de 11,87% no do abacaxi e de 8,16% no da laranja.Transporte e álcoolO grupo Transportes que, de acordo com o Dieese, subiu acentuadamente no primeiro trimestre, registrou ligeira queda de 0,02% em abril. A maior contribuição para este resultado veio do preço do álcool combustível, que ficou 1,45% mais barato. Este produto, segundo Cornélia, deverá manter a trajetória de queda em resposta à entrada da safra de cana-de-açúcar.Também figura entre as quedas o grupo Equipamentos Doméstico, com -0,49%. Os eletrodomésticos foram vendidos em abril a preços 0,82% mais baixos, os preços dos móveis foram reduzidos em 0,29% e rouparia em 0,17%. Só o grupo dos utensílios sofreu alta em abril, de 0,19%.Altas As altas foram apuradas nos grupos Saúde, com 0,78% e Habitação, com 0,11%. O grupo Vestuário fechou estável, após as roupas ficarem 0,15% mais baratas e os calçados 0,19% mais caros. A inflação acumulada é de 1,31% no ano e de 3,26% no período de 12 meses encerrado em abril. O ICV mede a variação dos preços em quatro grupos: alimentação, transportes, saúde e habitação. A pesquisa é realizada no município de São Paulo, pegando todas as faixas de renda.

Agencia Estado,

09 de maio de 2006 | 14h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.