finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Após três pregões de alta, bolsas da Ásia fecham em baixa

Realização de lucros e fatores internos de cada país determinaram o andamento das sessões nesta quinta

Ricardo Criez e Hélio Barboza, da Agência Estado,

12 de novembro de 2009 | 08h24

A maioria dos mercados da Ásia apresentou queda nesta quinta-feira, 12, após três pregões de alta. A realização de lucros e fatores internos de cada país determinaram o andamento das sessões. Os mercados também mostraram sinais de fadiga à medida em que o forte rali recente chega ao seu nono mês.

A Bolsa de Hong Kong encerrou em baixa, com realizações de lucros e vendas de papéis de incorporadoras imobiliárias e do HSBC. O índice Hang Seng perdeu 1,1% e terminou aos 22,397.57 pontos. HSBC caiu 1,1%; entre as incorporadoras, Wharf cedeu 3,7%, Sino Land caiu 2,2% e Henderson Land perdeu 1,9%.

 

A Bolsa de Xangai, na China, voltou a apresentar pequeno declínio. As ações de companhias financeiras e de imobiliárias caíram por conta das preocupações de que a retração nos empréstimos bancários irá prejudicar seus rendimentos. O índice Xangai Composto caiu 0,1% e encerrou aos 3.172,95 pontos. Já o índice Shenzhen Composto ganhou 0,5% e terminou aos 1.141,33 pontos.

 

As mudanças na linguagem do Banco Central chinês, em seu relatório do terceiro trimestre da política monetária, levaram o mercado a acreditar que Pequim possa permitir, em breve, que o yuan se valorize em relação ao dólar. Contudo, isso não foi suficiente para alavancar a moeda chinesa, que apresentou queda sobre a unidade norte-americana. No mercado de balcão, o dólar fechou cotado em 6,8266 yuans, de 6,8259 yuans do fechamento de quarta-feira.

 

Já a Bolsa de Taipé, em Taiwan, fechou estável. O índice Taiwan Weighted ganhou apenas 2,87 pontos e encerrou aos 7.670,93. Destaque para o setor de turismo, com Ambassador Hotel em elevação de 6,9%. Entre os eletrônicos, ProMOS Technologies despencou 6,7%.

 

A Bolsa de Seul, na Coreia do Sul, devolveu os ganhos iniciais para encerrar em baixa, pressionada por uma onda de vendas programadas no final do pregão, em dia de vencimento de opções. O índice Kospi perdeu 1,4% e fechou aos 1.572,73 pontos. A decisão do banco central, de manter em 2% a taxa básica de juros, teve pouca influência sobre o mercado, pois já era amplamente esperada, disseram os analistas. Samsung Electronics caiu 2%, Hyundai Motor perdeu 3,3% e Posco cedeu 0,9%.

 

A Bolsa de Sydney, na Austrália, interrompeu uma sequência de quatro dias de alta. O índice S&P/ASX 200 recuou 0,2% e fechou aos 4.747,9 pontos. BHP Billiton fechou em alta de 1,2% e Rio Tinto, 1,8%.

Nas Filipinas, o índice PSE da Bolsa de Manila ganhou 0,9% e fechou com a maior pontuação dos últimos 20 meses, aos 3.073,92 pontos. O índice composto da Bolsa de Jacarta, na Indonésia, subiu 0,7% e fechou aos 2.420,28 pontos, com destaques para os papéis de fabricantes de produtos de consumo e de carvão.

 

Na Bolsa de Cingapura, o índice Strait Times recuou 0,52% e fechou aos 2726.24 pontos.

O índice SET da Bolsa de Bangcoc, na Tailândia, recuou 3% e fechou aos 696,72 pontos, com preocupações sobre a suspensão de projetos industriais.

 

O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, subiu 0,1% e fechou aos 1.271,75 pontos, depois de operar no vermelho boa parte do dia. As informações são da Dow Jones.

 

(com Reuters)

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSASIAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.