Após três quedas, inflação da indústria dispara

Valorização do real frente ao dólar é o principal responsável pela alta, que chegou a 1,05% no setor de transformação

DANIELA AMORIM / RIO, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2012 | 03h08

A inflação da indústria da transformação disparou em março, para 1,05%, após ter registrado três quedas consecutivas, de dezembro a fevereiro. A valorização do dólar frente ao real foi o principal responsável pelo salto, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Entre as 23 atividades pesquisadas no Índice de Preços ao Produtor (IPP), 18 registraram encarecimento nos produtos, a maioria sob influência do câmbio.

"Nesse mês, tem muito do impacto da desvalorização do real. Em alguns setores, como papel e celulose e fumo, os preços estão muito atrelados ao dólar. Isso acaba influenciando essa variação", disse Alexandre Brandão, gerente do IPP.

O IBGE calcula que o real caiu 4,48% em relação ao dólar apenas em março. Na apuração da pesquisa, alguns setores - sobretudo os exportadores - fornecem as informações de preços em dólares, que depois são convertidos para o real pela equipe do instituto. Por isso, a inflação medida pelo IPP tem influência direta do câmbio.

Em março, as maiores variações no IPP foram as de setores que sofreram maior impacto da alta da moeda americana: equipamentos de informática (4,70%), fumo (4,28%), papel e celulose (3,82%), outros equipamentos de transporte (2,56%) e outros produtos químicos (1,51%).

"O setor de informática, que vinha apresentando variação negativa, foi um dos destaques de alta em março. O dólar pega esse setor porque tem muita matéria-prima importada que, se fica um pouco mais cara, encarece o produto, principalmente os computadores. E também tem a proximidade com o Dia das Mães, quando alguns produtos aumentam de preço, como telefones celulares", citou Brandão.

Alimentos. De acordo com ele, "em outros equipamentos de transporte, a alta foi dos aviões, que também têm influência da moeda americana".

No caso do setor de alimentos, que teve variação de 1,59% em março, os produtos que puxaram a inflação foram os derivados de soja e suco de laranja, também sob impacto do dólar.

Já as atividades de confecção de artigos de vestuário (2,02%) e de calçados e artigos de couro (1,71%) tiveram um reajuste sazonal, que ocorre no período de troca de coleção pela chegada da nova estação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.