Após três quedas mensais consecutivas, produção industrial cresce 0,4% em julho

Resultado veio dentro das expectativas; ante mesmo mês de 2009, atividade avançou 8,7%

Alessandra Saraiva, da Agência Estado,

31 de agosto de 2010 | 08h53

A produção industrial cresceu 0,40% em julho ante junho, na série com ajuste sazonal, após três meses consecutivos de queda, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira, 31. O resultado ficou dentro das expectativas dos analistas ouvidos pelo AE Projeções, que variavam de 0,20% a 1,40%, mas abaixo da mediana, de 0,80%.

Na comparação ante julho de 2009, a produção da indústria subiu 8,70%. Nesta comparação, as estimativas variavam de alta entre 8,00% e 10,00%, com mediana de 9,18%. Até julho, a produção da indústria brasileira acumula altas de 15% no ano, a maior elevação neste tipo de comparação da série histórica da Pesquisa de Produção Industrial Mensal - Produção Física Brasil, iniciada em 1991. Em 12 meses, a alta é de 8,30%.

"Estamos iniciando este terceiro trimestre em ritmo de crescimento, embora seja um ritmo menos intenso do que o observado anteriormente", afirmou o economista do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), André Macedo. Ele reiterou que o aumento de 0,40% na produção industrial em julho contra junho foi o primeiro resultado positivo neste tipo de comparação (mês ante mês anterior) desde março. A partir de abril, a indústria brasileira mostrou quedas sucessivas, de 0,9% em abril; de 0,2% em maio e de 1,1% em junho. "A queda acumulada neste período de três meses foi de 2,2%", acrescentou.

No entanto, Macedo admitiu que, ao se comparar as taxas de crescimento nos primeiros meses do ano, o ritmo de elevação na produção industrial em julho é mais fraco. Nos meses de janeiro, fevereiro e março a produção industrial mostrou taxas positivas de 1,2%; de 1,4%; e de 3,4%, respectivamente, na comparação com mês anterior. O aumento acumulado na produção industrial do período somou cerca de 6%, de acordo com Macedo. "Mesmo assim, é um sinal positivo que, em julho, o setor industrial tenha revertido aquela sequência de resultados negativos", afirmou.

Bens de Capital

A produção de bens de capital da indústria mostrou queda de 0,2% em julho contra junho deste ano. Ainda de acordo com o instituto, na comparação com julho do ano passado, a produção de bens de capital subiu 21,1% em julho deste ano.

O instituto informou ainda que a produção de bens intermediários teve expansão de 0,9% em julho contra junho, e avançou 11,3% na comparação com julho do ano passado. A produção de bens de consumo cresceu 0,4% em julho ante junho; e subiu 3,5% contra julho do ano passado.

Dentro de bens de consumo, a produção de duráveis cresceu 0,9% em julho ante junho; e subiu 2,2% em julho deste ano, na comparação com julho do ano passado. Ainda dentro de bens de consumo, a produção de semiduráveis e não duráveis em julho mostrou altas de 0,3% contra junho deste ano; e de 3,9% ante julho de 2009.

Média móvel trimestral

O índice de média móvel trimestral do desempenho da produção industrial brasileira caiu 0,30% no trimestre terminado em julho. Na divulgação anterior, o índice de média móvel trimestral tinha mostrado queda de 0,7% no trimestre encerrado em junho. O índice de média móvel trimestral é usado para mensurar tendências futuras para a evolução da produção industrial.

Dado de junho é revisado para queda de 1,1%

O IBGE revisou a taxa de variação na produção industrial de junho na comparação com maio, de -1,0% para -1,1%.

Texto atualizado às 11h

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.