Aposentados do INSS são vítimas de golpes no RJ e MG

Aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) devem ficar atentos para não cair em um novo golpe na praça, que já fez vítimas no Rio de Janeiro e Minas Gerais. De acordo com a Ouvidoria do INSS, que recebeu a denúncia, fraudadores abordam os segurados fazendo-se passar por servidores da Previdência ou funcionários do próprio banco onde o aposentado recebe o benefício. Eles pedem para verificar alguns documentos, inclusive o cartão magnético.O aposentado ou pensionista entrega o documento de boa fé sem perceber que, na devolução, o cartão foi trocado. Ele só percebe o golpe no mês seguinte, quando vai ao banco e descobre que foi feito um empréstimo com desconto em folha em seu nome.Segundo a Ouvidoria da Previdência Social pelo menos cinco golpes com essas características foram aplicados por um casal em Petrópolis (RJ). Os funcionários da agência do INSS em Itabira (MG) tem recebido segurados aflitos que denunciam que tiveram seus cartões magnéticos roubados na área de auto-atendimento dos bancos ao aceitarem ajuda de pessoas que se diziam funcionários. Os segurados não estão conseguindo reaver o dinheiro do financiamento porque os bancos consideram que o empréstimo foi feito de forma legítima, com o cartão magnético autêntico e a senha que só o titular do benefício deveria conhecer.RecomendaçõesA Ouvidora Geral da Previdência Social, Neiva Renck Maciel, afirma que os segurados estão sendo vítimas de golpes porque incorrem em erros já detectados e sobre os quais o INSS já fez alertas. Ela adverte que os aposentados e pensionistas não devem entregar documentos como cartão magnético e senhas sigilosas a desconhecidos que se propõem a ajudar.Cuidados também devem ser tomados mesmo em relação a pessoas mais próximas. "Nada pode garantir a segurança do aposentado se ele próprio não tomar certas precauções, como jamais entregar seu cartão ou a senha do banco a terceiros, o que inclui parentes e amigos", afirma Neiva Maciel.A ouvidora diz que muitos casos de pessoas lesadas que chegam ao conhecimento da Previdência são de segurados que não autorizaram o empréstimo, mas que têm por trás da operação parentes, conhecidos ou amigos que, de alguma forma, tiveram acesso ao cartão e à senha pessoal. Ela ressalta que a grande incidência de casos assim na própria família é mais um motivo para que os aposentados e pensionistas fiquem atentos a qualquer oferecimento de ajuda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.