ANÁLISE: Aposta dobrada nos juros embute riscos de exagerar na dose

José Paulo Kupfer, O Estado de S.Paulo

12 de junho de 2015 | 02h05

Desta vez não houve dificuldade alguma em interpretar o "coponês" da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que elevou a taxa básica de juros em 0,5 ponto para 13,75% ao ano. Tanto que os analistas, já estimulados pela inflação de maio, bem acima da esperada, produziram imediatas revisões altistas em suas previsões para a trajetória futura da taxa básica de juros.

Poucos mantiveram a hipótese anterior, que indicava uma última elevação de 0,25 ponto, em julho, para encerrar o atual ciclo de alta em 14% ao ano. Um número bem maior avançou agora para 0,50 ponto no próximo Copom e um terceiro grupo ainda esticou o fim do ciclo para setembro, com a taxa estacionando em 14,5%.

Esses movimentos atenderam a mensagens, reforçadas pela ata de ontem, na direção unívoca de que o Banco Central fará o que for necessário com a política de juros para fazer a inflação descer ao centro da meta em fins de 2016. A ata não deixa dúvidas dessa intenção, depois de repetir que os esforços no combate à inflação "ainda se mostram insuficientes", ao acrescentar, pela primeira vez, a menção de que é preciso "determinação e perseverança" para impedir a transmissão da inflação a prazos mais longos.

Embora essa intenção venha sendo reiterada pelo BC, em sua comunicação e em declarações de seus diretores, o mercado ainda não comprou a ideia e mantém estimativas para a inflação, no final do próximo ano, de 5,5%, um ponto acima do centro da meta. É na busca de recuperar a credibilidade perdida que o BC acena com uma aposta dobrada nos juros.

Existem, no entanto, problemas com essa estratégia. Como o próprio BC reconhece na ata, o vetor inflacionário essencial do momento deriva do realinhamento dos preços administrados, muitos dos quais representam importantes componentes dos custos de produção. Combatê-los com instrumentos desenhados para enfrentar pressões de demanda, ainda mais em face de uma economia já em baixa, embute riscos de exagerar na dose.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.