Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Apple é a segunda maior empresa do mundo

Empresa de Steve Jobs passou a Petrochina em valor de mercado, ficando atrás somente da Exxon Mobil

, O Estado de S.Paulo

29 de dezembro de 2010 | 00h00

A Apple ultrapassou ontem a Petrochina em valor de mercado, tornando-se a segunda maior empresa do mundo, segundo o site do jornal espanhol El País. A empresa de Steve Jobs alcançou uma valorização de US$ 298 bilhões, comparada a US$ 297 bilhões da Petrochina.

Em primeiro lugar, a empresa de petróleo americana Exxon Mobil valia US$ 368 bilhões, segundo dados da agência Bloomberg. A Apple teve grande sucesso neste ano, com os lançamentos do celular iPhone 4 e do tablet iPad. Na década, o valor das ações da companhia subiram de US$ 7,40 para US$ 325, segundo o jornal, sendo multiplicado por mais de 40 vezes.

A Apple está bem à frente de suas concorrentes do setor de tecnologia. A Microsoft é a quinta da lista das empresas de maior valor de mercado, avaliada em US$ 240 bilhões, e o Google está em 14º, valendo US$ 193 bilhões. Em 2008, a Apple nem aparecia na lista das 50 maiores empresas do mundo.

Na semana passada, Steve Jobs, presidente e cofundador da Apple foi escolhido "pessoa do ano" pelo jornal britânico Financial Times. Antes de reassumir o comando da companhia, há quase uma década, tanto Jobs quanto a Apple eram considerados figuras do passado, sem importância para o futuro do mercado de tecnologia.

O impacto do lançamento do iPad, no começo do ano, pode ser comparado ao da estreia do iPod, em 2001, e do iPhone, em 2007. O Financial Times lembrou que, quando Jobs começou a aparecer no noticiário por causa da Apple, ele era ainda mais jovem do que Mark Zuckerberg, criador do Facebook, é hoje.

Rock star. "Muito antes de ser legal ser um nerd, seu papel formador na popularização do computador pessoal, e a oferta pública inicial da Apple em Wall Street - que aconteceu quando o senhor Jobs tinha apenas 25 anos -, acabaram transformando na primeira estrela do rock do mercado de tecnologia", apontou o jornal britânico.

O sucesso do iPad pode ser visto como uma vingança de Steve Jobs contra a Microsoft, do arquirrival Bill Gates, que agora se dedica à filantropia. No começo da década, Gates tentou tornar um sucesso os computadores no formato tablet, sem conseguir.

Naquela época, os tablets da Microsoft precisavam de uma caneta especial para escrever na tela. A Apple venceu com uma tela multitoque e milhares de aplicativos que já estavam disponíveis para o iPhone. Apesar do sucesso, a Apple não é imune a críticas. Muitos questionam o controle absoluto que a empresa tem sobre o que é oferecido na sua loja de aplicativos[THE IPOD].

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.