Andy Rain/EFE/EPA
Andy Rain/EFE/EPA

Apple libera funcionários para debates sobre condições de trabalho da companhia

O aviso vem em um momento em que alguns funcionários pressionam a Apple a tomar mais medidas para garantir que não haja disparidades salariais dentro da empresa

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de novembro de 2021 | 06h00

A gigante de tecnologia Apple enviou, na última sexta-feira, 19, uma impressionante mensagem a seus funcionários, dada sua reputação de sigilo: foi um lembrete de que os profissionais estão liberados para discutir salários, horas extras e condições de trabalho.

O aviso vem em um momento em que alguns funcionários pressionam a Apple, uma das poucas empresas do mundo a ter superado a avaliação de mercado de US$ 1 trilhão, a tomar mais medidas para garantir que não haja disparidades salariais dentro da companhia.

Em postagem em uma plataforma interna, a companhia fundada por Steve Jobs disse que suas políticas não impedem os funcionários de “falarem livremente” sobre condições de trabalho, segundo cópia da mensagem obtida pela Reuters. Um porta-voz da Apple não quis comentar o assunto.

Escrutínio

A política de conduta empresarial da Apple já afirmava que os funcionários não estavam impedidos de debater temas corporativos – ao contrário do que ocorre em vários outros países, este não é um direito protegido por lei dos Estados Unidos.

No entanto, funcionários que abordaram o tema internamente nos últimos meses enfrentaram resistência, de acordo com Janneke Parrish, ex-gerente de programas da Apple. Parrish, que foi demitida após desempenhar um papel de liderança no ativismo dos funcionários, disse estar esperançosa de que a mensagem da Apple facilite o caminho para outras empresas.

A medida da companhia hoje comandada por Tim Cook ocorre em meio a um impulso mais amplo dos trabalhadores do Vale do Silício para falar sobre suas condições de trabalho e o impacto da tecnologia na sociedade./Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
Applesaláriotrabalho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.