Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

Appy avalia que crescimento do PIB é "conseqüência natural"

O secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Bernard Appy, afirmou hoje que o crescimento do PIB no primeiro trimestre do ano é uma "conseqüência natural" da política econômica adotada pelo governo Lula. "Num primeiro momento, tivemos a necessidade de adotar uma política bastante dura, que teve seus custos na forma de uma retração da produção interna, mas essa política também colocou o País numa situação, hoje, muito mais sólida, permitindo o início de um processo de crescimento sustentado diferente do registrado nas últimas décadas", afirmou o secretário.Segundo ele, o ajuste iniciado em 2003 garantiu ao País uma política fiscal em ordem, um combate efetivo da inflação e um ajuste bastante forte das contas externas, dando mais solidez à economia brasileira diante dos movimentos dos cenários externos. "A política colocou a economia não só em uma situação que permite o crescimento sustentado, com risco menor para os empresários, como também deu solidez para enfrentarmos as mudanças nos mercados internacionais. O que vemos hoje é o resultado desse forte ajuste."Bernard Appy destacou que o crescimento registrado no primeiro trimestre de 2004 significa, em termos práticos, o terceiro trimestre consecutivo de aumento do PIB brasileiro. Além disso, afirmou, a taxa apurada demonstra, em termos anualizados, um crescimento econômico superior a 6%. Appy disse ainda que percepção de consolidação da retomada do crescimento foi ratificada nesta quinta-feira pelos dados divulgados pela Fiesp, que mostraram que as vendas reais da indústria em abril tiveram um crescimento de 24% ante abril de 2003.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.