Appy: enxurrada de dólares não seria problema

O secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Bernard Appy, afirmou hoje que não vê uma enxurrada de dólares no mercado doméstico de câmbio, fruto da obtenção do grau de investimento, como um problema em si mesmo. Isto porque, segundo ele, o câmbio flutuante ajusta, ao longo do tempo, o balanço de pagamentos - que registra o resultado de todas as transações (bens, serviços, transferências e fluxos de capital) entre o País e o resto do mundo. "Nós vivemos em regime de câmbio flutuante, em que as contas do balanço de pagamentos se equilibram. Portanto, eu não diria que essa enxurrada de dólares é um problema", disse Appy, no seminário Política Fiscal na América Latina, promovido pela Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal) e pelo Ministério da Fazenda. O secretário destacou que o governo tem a preocupação de garantir as condições de competitividade para as empresas brasileiras, o que ficará explícito na nova política industrial, a ser anunciada na semana que vem (dia 12). Nesse sentido, Appy afirmou que o grau de investimento, concedido ao Brasil pela agência de classificação de risco Standard & Poor''s (S&P) na semana passada, é positivo porque reduz o custo de capital para as empresas e de financiamento da dívida pública brasileira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.