Yuya Shino/Reuters
Yuya Shino/Reuters

"be water"

Coluna Leandro Miranda: como se moldar à nova economia após a covid-19?

Apreensão com coronavírus derruba Bolsas asiáticas

Na China continental, o índice Xangai Composto caiu 3,71%, a 2.880,30 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto sofreu tombo ainda maior, de 4,93%, a 1.801,75 pontos

Sergio Caldas, O Estado de S.Paulo

28 de fevereiro de 2020 | 07h27

As Bolsas asiáticas fecharam com acentuadas perdas nesta sexta-feira, 28, seguindo a tendência da semana nos mercados financeiros globais, à medida que a rápida disseminação do novo coronavírus fora da China gera apreensão e prejudica o apetite por ativos considerados mais arriscados, como ações

Na China continental, o índice Xangai Composto caiu 3,71%, a 2.880,30 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto sofreu tombo ainda maior, de 4,93%, a 1.801,75 pontos.

Em pregões recentes, os mercados chineses exibiram relativa firmeza, diante da iniciativa de Pequim de adotar uma série de medidas de estímulo, numa tentativa de amenizar o impacto econômico do coronavírus.

Na quinta-feira, 27, , porém, tanto as Bolsas de Nova York quanto o índice pan-europeu Stoxx 600 entraram em "território de correção", ao acumularem perdas de mais de 10% em relação aos picos mais recentes, alimentando o movimento de vendas na Ásia.

A propagação do coronavírus fora da China, onde a doença teve origem, tem pesado no sentimento dos investidores ao longo de toda a semana. Na Coreia do Sul, foram confirmados mais de 1.700 casos da enfermidade, enquanto na Itália mais de 600 pessoas contraíram o vírus.

Na quinta, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertou para a possibilidade de o avanço do coronavírus se tornar uma pandemia, mas ponderou que o surto ainda pode ser contido. "Estamos em um ponto decisivo", afirmou durante entrevista coletiva em Genebra, na Suíça.

Em Tóquio, o japonês Nikkei teve queda de 3,67% hoje, a 21.142,96 pontos, registrando a maior perda porcentual diária desde dezembro de 2018 e também adentrando território de correção.

Em outras partes da Ásia, o Hang Seng recuou 2,42% em Hong Kong, a 26.129,93 pontos, enquanto o sul-coreano Kospi caiu 3,30% em Seul, a 1.987,01 pontos, atingindo o menor patamar desde 3 de setembro do ano passado, e o Taiex apresentou baixa de 1,24%, a 11.292,17 pontos.

Na Oceania, a bolsa australiana também entrou em correção, com queda de 3,25% do S&P/ASX em Sydney, a 6.511,50 pontos. Na semana, o índice acumulou perda de 9,8%, a maior desde outubro de 2008. / Com informações da Dow Jones Newswires 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.