Apreensões da Receita por contrabando foram recordes em 2004

As apreensões de produtos contrabandeados em Foz do Iguaçu foram recordes no ano passado. Segundo levantamento da Receita Federal, desde 1995 o valor das mercadorias apreendidas não era tão alto: US$ 33,547 milhões. Esse total é mais do que o dobro dos US$ 16,340 milhões registrados em 2003. Em 1995, as operações de fiscalização da Receita na região resultaram em apreensões de US$ 39,543 milhões.A intensificação do trabalho dos fiscais em Foz do Iguaçu, que começou em novembro de 2004 e desencadeou uma série de protestos de políticos locais por causa da repercussão na economia da região, será estendida até o final deste ano. Na primeira semana de 2005, ela já resultou na retirada de circulação de mais 6 ônibus que carregavam cerca de US$ 64 mil em cigarros, eletrônicos e componentes de informática contrabandeados.De acordo com o balanço divulgado hoje pela Receita, em 2004, o produto mais contrabandeado continuou sendo o cigarro, que respondeu por US$ 7,352 milhões do total apreendido. Os eletrônico ficaram em segundo lugar, somando US$ 4,581 milhões das apreensões no período, seguidos dos produtos de informática, com US$ 4,428 milhões.Produtos apreendidosAlém disso, ao longo do ano passado, os fiscais recolheram 2.030 frascos de lança-perfume, 2.606 quilos de maconha, 27,63 quilos de cocaína, 5 gramas de haxixe e 19,96 quilos de crack e várias munições. As apreensões foram resultado de um trabalho especial de fiscalização que resultou ainda em multas a empresas de transportes, hotéis e depósitos e também na retirada de circulação de 385 ônibus usados no contrabando.Cerca de 7 mil pessoas envolvidas com as mercadorias, segundo a Receita, terão que se explicar ao Ministério Público já que os fiscais encaminharam representações fiscais contra elas. Além da Receita participaram da operação fiscais das polícias federal, rodoviária federal e militar e da Promotoria de Investigação Criminal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.