Aprovada 1ª fase do plano de reestruturação da Varig

A assembléia do Colégio Deliberante da Fundação Ruben Berta aprovou hoje a primeira fase do plano de reestruturação da Varig, elaborado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O projeto prevê a criação de um fundo de investimento e participações em uma sociedade de propósito específico para viabilizar a compra de ações da Varig Log e da Varig Engenharia e Manutenção (Vem). Os 143 funcionários que pertencem ao colégio deliberante que representam a Fundação Ruben Berta também aprovaram a criação de uma conta vinculada para pagar as empresas de arrendamento de aviões. A própria negociação de participações das duas subsidiárias da Varig também foi autorizada. O índice de votos favoráveis ao plano do BNDES foi de 98,47%. Investidor A escolha da estatal portuguesa de aviação TAP como único investidor na fase inicial de reestruturação da Varig não foi objeto de voto da assembléia do colégio deliberante da Fundação Ruben Berta (FRB), formada por 143 funcionários eleitos por voto e que representam a instância de maior poder decisório da Varig. Segundo o presidente do conselho de curadores da FRB César Curi, no entanto, "ficou claro que na apresentação não houve dúvida de que a TAP é a parceira estratégica escolhida pelo conselho de curadores". Curi se referiu a uma apresentação que foi feita sobre o plano do BNDES para a etapa preliminar de recuperação da Varig e que foi mostrada durante a assembléia realizada hoje. Segundo o presidente da Federação Nacional dos Trabalhadores de Aviação Civil (Fentac) Celso Klaske e a presidente do Sindicato Nacional dos Aeroviários, Selma Balbino, que estiveram presentes durante a reunião, foram apresentadas 11 propostas de investimento na Varig, incluindo um plano do grupo AIG que também tem participação na Gol Linhas Aéreas.

Agencia Estado,

04 Novembro 2005 | 13h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.