finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Aquecimento da economia não preocupa BC, diz Meirelles

Para Banco Central, manutenção da redução do IPI não teria efeito inflacionário.

Rogerio Wassermann, BBC

03 de novembro de 2009 | 19h45

A recuperação da economia brasileira após a crise não deve trazer consigo o risco de uma alta da inflação, na avaliação do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles.

Segundo ele, apesar de as projeções do mercado para o crescimento do PIB brasileiro no ano que vêm estarem crescendo, as projeções para a inflação permanecem dentro da meta.

"O mercado projeta um crescimento de 5% no ano que vem. Mas o que é importante para nós, no Banco Central, é que a expectativa da inflação está em 4,4%, bem próximo da meta, que é de 4,5%", afirmou Meirelles após uma palestra a estudantes na Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha, quando perguntado se a manutenção da redução do IPI sobre a linha branca não poderia causar uma alta inflacionária.

Meirelles participa nesta quarta-feira e quinta-feira de uma série de eventos em Londres acompanhando a visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao país e segue depois a Saint Andrews, na Escócia, onde no fim de semana acontece uma reunião ministerial do G20.

Regulações prudentes

O G20, que reúne os países mais industrializados do mundo mais os principais países emergentes, é o fórum que vem discutindo as políticas conjuntas de combate à crise econômica global.

Meirelles se disse confiante de que a reunião trará avanços positivos para a adoção de mecanismos de regulação internacionais que evitem bolhas nos mercados semelhantes às que detonaram a atual crise, em 2008.

Segundo ele, muitas das medidas que vêm sendo sugeridas internacionalmente já são adotadas pelo Brasil.

"O Brasil adota regulações prudentes e não vai permitir bolhas de crédito", afirmou.

Carry Trades

Questionado se os juros ainda altos do Brasil estariam fomentando o aparecimento de uma bolha provocada pelas operações conhecidas como "carry trades", nas quais os investidores se aproveitam da queda do valor do dólar e dos juros baixos nos Estados Unidos para tomar empréstimos na moeda americana e aplicar em ativos de países emergentes para lucrar duplamente, pela rentabilidade desses ativos e pela diferença de câmbio, Meirelles disse não haver indícios de que isso estaria acontecendo no Brasil.

"Seguimos de perto os fluxos de divisas no Brasil em ambas as direções, e podemos afirmar que o carry trade não é relevante", afirmou o presidente do BC.

Segundo ele, os principais fluxos de divisas entrando no Brasil atualmente têm sido canalizados para o investimento direto na produção industrial e em aplicações no mercado de ações.

Em uma curta entrevista após a palestra em Oxford, Meirelles voltou a citar os estudos para modificar o marco regulatório do sistema cambial brasileiro, com o objetivo de atender a situações de abundância de divisas entrando no país, como vem ocorrendo atualmente.

IOF

O presidente do Banco Central negou que tenha divergências com o Ministério da Economia na maneira de atuar em relação a esse excesso de moeda estrangeira entrando no país

No mês passado, o Ministério da Economia estabeleceu a cobrança de 2% de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) sobre os investimentos estrangeiros em ações e em aplicações financeiras.

Segundo Meirelles, os objetivos são diferentes entre eles. "O Banco Central não tem meta para a taxa de câmbio. Estamos preocupados com inflação e com as reservas", disse.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.