finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Aqui, até pesquisa é motivo de briga

Femsa, das marcas Kaiser e Sol, questiona números de participação no mercado divulgados pelo instituto Nielsen

Marili Ribeiro, O Estadao de S.Paulo

24 de novembro de 2007 | 00h00

Enquanto se acirra a disputa no mercado cervejeiro lá fora, em especial por posições no cobiçado mercado chinês, aqui dentro o tom também se eleva. A Femsa, empresa mexicana dona das marcas Kaiser e Sol, decidiu questionar os números de participação de mercado aferidos pelo instituto Nielsen. A cervejaria diz ter 4 pontos porcentuais a mais, o que, por suas contas, somaria atualmente 11% de market share e não os 7% apontados na pesquisa.Um consultor que acompanha o setor, mas prefere o anonimato, endossa a tese da Femsa sobre o irrealismo dos dados divulgados. Seu raciocínio considera os números de faturamento e de volume publicados nos balanços das empresas de capital aberto - AmBev e Femsa. A eles, acrescenta os dados da Schincariol e Petrópolis. Juntas, as quatro respondem por quase a totalidade dos 9,7 bilhões de litros produzidos anualmente no País. E conclui: "A conta não bate".Por seus cálculos, a AmBev teria 8 pontos porcentuais menos de participação de mercado. Ou seja, estaria com cerca de 60% de participação, e não os 68% anunciados.A distorção estaria na forma de a Nielsen obter os dados, isso tanto na opinião do consultor como dos dirigentes da Femsa. O levantamento da Nielsen cobre atualmente cerca de 60% do território nacional, uma vez que contabiliza o mesmo número de pontos-de-venda pesquisados há três anos. Porém o mercado consumidor mudou o perfil no período. As Regiões Norte e Nordeste, onde o consumo mais tem crescido, têm poucas cidades na sondagem da Nielsen. A expansão do consumo naquelas regiões é reconhecida até mesmo pela AmBev. Durante a apresentação do balanço do terceiro trimestre, o presidente da empresa, Luiz Fernando Edmond, anunciou que, até o fim deste ano, a companhia deve comprar ou iniciar a construção de uma fábrica no Norte do País, exatamente por causa da demanda crescente. Questionada sobre a área de cobertura da pesquisa, a gerente de Comunicação da Nielsen, Eliane Dal Colleto, enviou resposta por e-mail, no mínimo, curiosa. Alegou falta de pessoal para esclarecer as dúvidas apresentadas pelo Estado, mesmo após reconhecer que "um dos fabricantes do mercado" questionou a metodologia."Não tenho condições de lhe ajudar por uma questão mais operacional: minha área está extremamente desfalcada e não tenho porta-vozes suficientes para atender a todas as demandas de imprensa que chegam diariamente", escreveu ela. "Estou limitando o atendimento ao fornecimento de alguns dados de categorias que auditamos regularmente. Entrevistas e análises sobre mercados e metodologias tenho que declinar."Pelos últimos números divulgados, referentes ao mês de outubro, os porcentuais de participação de mercado das cervejarias são os seguintes: AmBev, 68,3%; Schincariol, 11,8%; Petrópolis, 8,4%; e Femsa, 7,5%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.