Ar condicionado e geladeira em baixa nos estoques

Forte calor e a manutenção da redução do IPI dos eletrodomésticos provocaram corrida ao varejo e busca por aparelhos sofisticados

MARCELO REHDER , MÁRCIA DE CHIARA, O Estado de S.Paulo

28 de janeiro de 2013 | 02h03

O consumidor corre o risco de não encontrar aparelhos de ar condicionado e algumas geladeiras com duas portas nas lojas neste verão. O forte calor e a manutenção da alíquota reduzida do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) dos eletrodomésticos da linha branca provocaram uma corrida às lojas que fez as vendas crescerem acima da expectativa do mercado.

Sem produtos para pronta entrega, alguns lojistas estão reforçando as encomendas feitas à indústria. Mas os fabricantes alegam que não têm condições de atender aos pedidos extras.

De acordo com o gerente de compras das Lojas Colombo, Leandro Arruda, o varejo enfrenta dificuldades para se abastecer de produtos típicos de verão desde o fim do ano passado. Ele conta que pedidos de refrigeradores de alta capacidade feitos pela rede em novembro, para entrega no mês seguinte, até ontem ainda não tinham sido cumpridos. Além da demora na entrega, os fabricantes estariam deixando de atender a 40% das encomendas, em média.

"O governo incentivou o consumo, mas a indústria não estava preparada para o aumento da demanda", afirma o executivo. Desde outubro, a venda de eletrodomésticos da linha branca nas lojas da rede Colombo cresceu 40% em relação ao mesmo período um ano antes.

Falta pontual. O presidente da Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos (Eletros), Lourival Kiçula, alega que estão faltando apenas modelos de geladeiras frost free (que possibilita refrigeração sem produção de gelo) e de inox. "Com a redução do IPI para linha branca, o consumidor decidiu comprar produtos com mais recursos", diz Kiçula. Mas ele ressalta que não existe uma falta generalizada do produto.

"A migração para modelos de refrigeradores mais sofisticados não estava desenhada pela indústria da forma tão forte como foi", reconhece Armando Ennes do Valle Júnior, vice-presidente de Relações Institucionais da Whirlpool para a América Latina. "A gente acredita que até o meio do ano todos os fabricantes já terão superado isso", acrescenta o executivo.

Além disso, Valle observa que grandes varejistas que se programaram e anteciparam pedidos não estão tendo problemas agora. "Têm mais problemas aqueles pequenos varejistas que se depararam com uma demanda também não esperada por eles, porque agora a indústria não consegue responder na velocidade que eles precisam."

Dona das marcas Brastemp, Consul e KitchenAid, a Whirlpool é líder de vendas nesse segmento. Em 2012, os produtos da empresa com redução do IPI cresceram em linha com o mercado, ao redor de 15%. Já os aparelhos de ar condicionado split, fecharam o ano sem crescimento. O segundo semestre foi bom, mas o primeiro, quando a indústria nacional sofria concorrência acirrada do produto asiático, foi muito ruim.

Dados da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) mostram a aceleração das vendas a prazo neste mês. Na primeira quinzena de janeiro, os números de consultas para vendas a prazo aumentaram 1,8% em relação a igual período de 2012, um ritmo bem superior ao fechamento de dezembro, que foi de 0,1% na comparação com o mesmo mês de 2011.

"Tudo indica que houve uma melhora das vendas no varejo neste mês em relação ao fechamento do ano", observa o economista da ACSP, Emílio Alfieri. Ele explica que, neste ano, a temporada de liquidação foi mais rápida do que no início de 2012, quando o acúmulo de estoques era maior em relação ao atual.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.