Árabes e América do Sul discutirão livre comércio

Funcionários dos países árabes e da América do Sul ratificaram neste domingo a parte econômica de uma cúpula que pretende ser um primeiro passo para abrir novas fronteiras comerciais, segundo porta-vozes oficiais. Nesta primeira cúpula, que reúne 34 países e que na terça-feira e quarta-feira colocará juntos chefes de Estado e de governo, além de ministros de Relações Exteriores, será assinada uma declaração formal que apresentará o interesse comercial comum.Os países do Mercosul e do Conselho de Cooperação do Golfo (Arábia Saudita, Bahrein, Catar, Emirados Árabes Unidos, Kuwait e Omã) assinarão um acordo que estabelecerá as bases para um tratado de livre comércio. Segundo o diretor de Promoção Comercial da Chancelaria brasileira, Mario Vilalva, os negócios são o ponto central deste encontro.Segundo Vilalva, nos próximos meses começarão a ser negociados acordos comerciais para reduzir os impostos de tarifas da alfândega de um universo de produtos ainda não determinados. "Nosso interesse é expandir o comércio até entre 14 e 15 bilhões de dólares em dois anos", disse Vilalva.Essa é só uma das metas. A outra é atrair capitais árabes ansiosos por novos parceiros e para investir em infra-estrutura, turismo e energia na América do Sul, acrescentou. Para o embaixador do Kuwait no Brasil, Hamood Youssef Al-Roudhan, trata-se de consolidar "a tendência de intercâmbio comercial entre ambas organizações".Até agora, dentro do Mercosul esse comércio crescente é liderado amplamente pelo Brasil, que tem um intercâmbio superior a 8 bilhões de dólares com a Liga Árabe. O acordo previsto estabelecerá as bases para um tratado de livre comércio que, para as autoridades do Brasil, representa "a abertura de um novo espaço de intercâmbio".O Mercosul mantém negociações similares em diferentes graus de avanço com Índia, África do Sul, Coréia do Sul, Egito e Marrocos. Segundo disseram à EFE fontes diplomáticas egípcias, o Egito tentará avançar ao máximo na negociação final do acordo durante a cúpula de Brasília.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.