Arábia defende maior produção de petróleo e preço recua

O ministro do Petróleo da Arábia Saudita, Ali Naimi, defendeu que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) eleve o teto de produção permitido para o grupo em 2 milhões de barris por dia, para fazer frente à recente mudança no quadro de previsões de demanda e oferta. Naimi, que já está em Amsterdã (Holanda) para participar do Fórum Internacional de Energia, declarou que quer ver as nações desenvolvidas protegidas de elevações abruptas dos preços do petróleo. Na semana passada, Naimi defendeu um aumento do teto de produção de 1,5 milhão de barris por dia.Depois destas declarações, o preço do petróleo cru caiu abaixo de US$ 40,00 o barril na Nymex. Às 12h10 (horário de Brasília), o petróleo cru voltava para acima do nível, operando em queda de US$ 0,70 (1,72%), para US$ 40,10 o barril na Nymex. Chegou a US$ 39,90 na cotação mínima. O petróleo tipo brent, negociado em Londres, operava em US$ 36,70 o barril, queda de US$ 0,56 (1,50%). Na mínima, foi a US$ 36,14 o barril.O ministro saudita disse ainda que seu país, maior produtor no grupo, ficará atento às condições de oferta do mercado e que manterá o mesmo abastecido. Segundo declarações do ministro, é necessário que a Opep eleve sua produção para manter a estabilidade econômica e o crescimento global. Ele disse ainda querer ver as Nações desenvolvidas protegidas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.