Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Arábia Saudita deverá suprir abastecimento

Enquanto vários analistas já fazem previsões com o preço do petróleo atingindo a faixa de US$ 200 ou US$ 220 o barril, por causa dos conflitos no Norte da África e Oriente Médio, especialistas acreditam que a Arábia Saudita deverá suprir a falta da commodity vinda da Líbia, o que pode evitar uma alta dos preços.

Luciana Antonello Xavier, O Estado de S.Paulo

25 de fevereiro de 2011 | 00h00

"É difícil fazer projeções porque o cenário é de incerteza. Creio que há espaço para mais alta, mas tenho ouvido conversas sobre petróleo chegando a US$ 200 e realmente não creio que isso irá acontecer", disse o diretor do Center for Strategic and International Studies (CSIS), David Pumphrey.

Ontem, os contratos de petróleo para abril na Nymex chegaram a bater nos US$ 100 o barril, mas acabaram fechando a US$ 98,10, em alta de 2,81%, enquanto o Brent para abril fechou a US$ 111,25 por barril (+5,17%), em Londres.

O ditador Muamar Kadafi, há 41 anos no poder, ordenou ontem o fechamento de todos os portos e terminais da Líbia e várias petroleiras anunciaram a paralisação de suas atividades. Há uma expectativa no mercado de que eles sejam reabertos em dois ou três dias. A produção diária de petróleo da Líbia é de 1,6 milhão de barris de petróleo.

Para a analista independente de petróleo Annette Hester, a reação da Arábia Saudita diante do desenrolar da situação na Líbia será "crucial". "Acho difícil a Arábia Saudita e os Estados Unidos deixarem o preço do petróleo subir descontroladamente."

A Arábia Saudita tem as maiores reservas do mundo, de 264,3 bilhões de barris, e a segunda maior produção mundial, de cerca de 10 milhões de barris por dia, segundo dados de 2009 da Administração de Informação de Energia dos EUA.

Esta semana, o príncipe saudita Abdulaziz bin Salman bin Abdulaziz disse que não há necessidade de intervenções. Já o ministro de Petróleo da Arábia Saudita, Ali al-Naimi disse que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) está pronta a cobrir a qualquer potencial escassez de petróleo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.