Aracruz sai de lucro para prejuízo de R$ 1,5 bi no 3º trimestre

Maior fabricante de celulose de eucalipto do mundo foi afetada pela alta do dólar em decorrência da crise

Cesar Bianconi, da Agência Estado,

17 Outubro 2008 | 09h23

A Aracruz registrou prejuízo líquido de R$ 1,569 bilhão no terceiro trimestre deste ano, contra lucro líquido de R$ 260,506 milhões no mesmo período do ano passado, pelo padrão brasileiro de contabilidade (BR Gaap). A receita líquida subiu para R$ 666,534 milhões, contra R$ 610,580 milhões. O resultado financeiro da companhia foi negativo em R$ 1,548 bilhão de julho a setembro, contra receita financeira líquida de R$ 116,861 milhões um ano antes.   Veja também: Consultor responde a dúvidas sobre crise   Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise A cronologia da crise financeira  Dicionário da crise  O caminho até o pré-sal    Em 25 de setembro, a Aracruz anunciou que a exposição da empresa a derivativos podia ter excedido os limites previstos na política financeira. No início deste mês, a companhia informou que o valor justo de seus contratos com derivativos estava negativo em cerca de R$ 1,95 bilhão em 30 de setembro.   Com o objetivo de preservar a liquidez da companhia, a Aracruz informou que o Conselho de Administração da empresa decidiu em reunião realizada nesta sexta suspender temporariamente o projeto de expansão da fábrica no município de Guaíba, no Rio Grande do Sul.   "A Aracruz mantém sua intenção de retomar os investimentos no projeto assim que as condições de mercado os justificarem", acrescentou a companhia em um breve comunicado.   Anúncio adiado   A empresaafirmou que irá adiar a teleconferência sobre os resultados do terceiro trimestre, que estava prevista para ocorrer na próxima segunda-feira, 20. "Com o objetivo de aumentar a liquidez da companhia, preservar o caixa e manter a continuidade do negócio, diversas medidas estão sendo tomadas, incluindo ações para reduzir gradativamente a exposição a operações de derivativos, evolvendo, entre outras, a continuidade das negociações já iniciadas com os bancos", informou a empresa em comunicado ao mercado.   Segundo a Aracruz, uma empresa de auditoria está concluindo se as operações com derivativos estavam em conformidade com as políticas internas da companhia. "Por essas razões, e pela recente troca na diretoria da companhia, e em linha com o compromisso pela transparência, a teleconferência de resultados com o mercado será realizada tão logo a Aracruz tenha informações conclusivas", de acordo com a empresa.

Mais conteúdo sobre:
Aracruz crise nos EUA Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.