Arcelor compra grupo russo por 12 bilhões de euros

A luta que opõe dois grandes grupos da siderurgia mundial, Arcelor e Mittal Steel, prosseguiu nesta sexta-feira com a compra pelo grupo europeu do russo Severstal, por 12 bilhões de euros. Essa compra amistosa permite a Arcelor, cujo faturamento agora passa a ser de 46 bilhões de euros, enfrentar a oferta hostil do grupo Mittal, que havia aumentado em 34% sua proposta anterior. O proprietário do grupo russo, Alexei Mordachov, de 41 anos, passa a controlar 32 do capital e Arcelor 68%, repetindo uma operação, segundo Guy Dollé, que já foi feita num passado recente no Brasil e cujos resultados têm sido altamente satisfatórios. Afinal tanto a Rússia como o Brasil são países que produzem matéria prima necessária. Agora, com essa nova parceria Arcelor poderá bloquear toda ofensiva de Mittal, que vinha assediando-a nesses últimos dois meses, um contra ataque que dificultará a tentativa hostil de compra do bilionário indiano Lakshmi Mittal. Quanto a Mordachov, uma das cem principais fortunas do mundo, ele exercerá a presidência não executiva do grupo Arcelor, mas Guy Dollé garantiu sua permanência na presidência executiva, enquanto Joseph Kinsch permanecerá no controle do conselho de administração. Quanto ao dirigente russo, ele prometeu não vender suas ações Arcelor e tampouco votar contra a direção nos próximos cinco anos. Só a partir desse prazo ele poderá retomar toda sua liberdade de ação. Por enquanto, o dirigente industrial russo será o primeiro acionista do grupo europeu.Financiamento Os 12 bilhões de euros que Arcelor terá de tirar do bolso serão financiados totalmente por um aumento de capital. Essa compra compromete, em grande parte, os projetos de Mittal Steel - mesmo porque o núcleo duro do novo grupo associado terá condições de controlar aí por volta de 50%. As ações de Arcelor, com essa operação, foram valorizadas em 44%. Isso quer dizer que elas são muito mais interessantes do que a oferta de Mittal Steel a 37,74 % euros. Para Guy Dollé, Severstal mantém a mesma visão estratégica de Arcelor, sendo atualmente um dos grupos mais rentáveis do setor de aço em todo o planeta.O novo grupo será o primeiro do mundo do setor de aço com uma produção de 70 milhões de toneladas anuais. Essa aliança estratégica vinha sendo discutida desde 2002, segundo o presidente de Arcelor. Na sexta-feira, o primeiro ministro Dominique de Villepin reafirmou que o Estado francês não deve se imiscuir nos negócios das empresas que agiram soberanamente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.