ArcelorMittal tenta fechar o capital da Acesita de novo

Empresa faz oferta de R$ 100 por ação com ou sem direito a voto. Dividendos recebidos serão descontados

Agnaldo Brito, O Estadao de S.Paulo

05 de dezembro de 2007 | 00h00

A ArcelorMittal, maior grupo siderúrgico do mundo, anunciou ontem ao mercado de capitais brasileiro uma oferta para recompra de todas as ações ordinárias (ON) e preferenciais (PN) da Acesita, hoje Inox Brasil S.A. A operação, tentada em janeiro de 2006, foi retomada com o objetivo de fechar o capital da empresa.O valor da oferta, que ainda precisa ser aprovada pelo Conselho de Administração do grupo, foi de R$ 100 por ação com ou sem direito a voto. O valor está sujeito a descontos relativos aos dividendos e juros sobre capital próprio pagos pela companhia. A Acesita é a única produtora de aço inoxidável do País. Analistas consideraram "razoável" a oferta. A ação PN fechou a R$ 89,14 no dia anterior ao anúncio. A ação ON havia fechado a R$ 90. No ano passado, a empresa foi obrigada a ampliar a oferta de recompra de ações para fechar o capital da Arcelor Brasil.O anúncio feito ontem gerou uma corrida pelos papéis da ex-Acesita. A ação ordinária (ON) subiu 6,67% e alcançou cotação de R$ 96. A ação preferencial (PN) teve valorização maior: 9,37%, com fechamento em R$ 97,49."A oferta é um prêmio satisfatório para o acionista. A operação faz sentido, sobretudo, porque a ArcelorMittal decidiu fechar o capital da Arcelor Brasil assim que assumiu o controle do negócio", explicam os analistas da Planner.Desta vez, diz Carlos Fernando Kochenborger, analista da Geração Futuro, o capital da Acesita pode ser fechado. A tentativa feita no início de 2006 esbarrou na resistência de acionistas importantes, como o BNDESPar, a Hedging-Griffo e o fundo Tarpon.Esse bloco de acionistas não aceitou, na ocasião, uma oferta de R$ 45 por ação. "Já se sabe que o fundo Tarpon concordou com a oferta atual. É preciso conhecer agora qual será a decisão do BNDESPar. Caso esses grandes acionistas aceitem o valor, dificilmente os pequenos acionistas recusarão. Em 2006, os fundos de pensão Previ, Petrus e Sistel aderiram à oferta.Segundo o analista, embora a ação da Acesita tenha registrado boa valorização nos últimos dois anos, há pouca negociação do papel no mercado de capitais atualmente."Sem os grandes acionistas de mercado, o papel terá pouca negociação, menos analistas cobrindo, menos informações serão fornecidas sobre a empresa. Quem não vender agora poderá ser obrigado a vender no futuro por um preço menor", avalia o analista.Em 2006, as ações da Acesita foram as que mais se valorizaram entre as das siderúrgicas brasileiras: as preferenciais subiram 99%; as ordinárias, 75%. Até segunda-feira, a valorização ao longo de 2007 havia sido também elevada: 66,82%, para as ações com direito a voto; e 67% para as ações sem direito a voto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.