Lu Prezia/Arezzo
Lu Prezia/Arezzo

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Arezzo anuncia compra do grupo Reserva por R$ 715 milhões

Com o negócio, a companhia prevê ampliar seu mercado em 3,5 vezes; segundo a Arezzo, compra foi feita com o dinheiro do caixa, sem a necessidade de contrair uma nova dívida

Talita Nascimento, O Estado de S.Paulo

23 de outubro de 2020 | 09h51
Atualizado 23 de outubro de 2020 | 16h46

A Arezzo&Co anunciou nesta sexta-feira a compra da Reserva. A negociação envolveu o pagamento à vista de R$ 175 milhões e mais R$ 50 milhões daqui um ano. Os outros R$ 490 milhões serão pagos em ações. A compra soma assim R$ 715 milhões. A empresa diz que o financiamento foi feito pelo próprio caixa da companhia, sem a necessidade de contrair uma nova dívida. Assim, segundo a diretora de Relações com Investidores da companhia, Aline Penna, "há colchão para outros movimentos que não devem ser dessa magnitude". De acordo com dados do segundo trimestre deste ano, a companhia teria cerca de R$ 500 milhões em caixa, o que dá e sobra para arcar com esse primeiro pagamento.

O presidente da Arezzo, Alexandre Birman, diz que o movimento se trata de uma incorporação e da criação de um novo braço. A Reserva passa a se chamar Ar&Co e os executivos do primeiro escalão têm lugar cativo na companhia. "Tecnicamente é uma compra, mas, de fato, não é. Porque os gestores, fundadores e sócios são automaticamente sócios e líderes da Arezzo&Co. Com autonomia grande no vestuário e no lifestyle", disse ao Estadão/Broadcast.

Dentre os planos para o novo núcleo está expandir o modelo de franquias para as marcas da Reserva. "A geração de caixa faz parte do nosso modelo de negócios. Não precisamos de capital intensivo para crescimento. Isso a gente pretende manter e adicionar através de crescimento de franquias no grupo Reserva", diz Birman.

Segundo a empresa, a movimentação possibilitará uma ampliação de 3,5 vezes o mercado da companhia, que passará a vender, além de calçados e bolsas, itens de moda masculina, feminina e infantil, incluindo roupas e acessórios

O Grupo Reserva conta hoje com 78 lojas próprias e 32 franquias, além de estar presente em 1,5 mil multimarcas. Em 2019, o Grupo Reserva faturou R$ 400 milhões. Durante a crise, a empresa viu seu faturamento cair 75% com o fechamento das lojas. Já em junho, o sócio fundador Rony Meisler diz que voltou a vender próximo aos 100% em relação aos números de 2019, atingindo cerca de 120% nos meses seguintes. Após a conclusão da transação, a agora AR&Co terá Meisler como CEO da operação.

Os sócios e investidores da Reserva também passarão a ser sócios da Arezzo&Co e a efetivação da operação ainda está sujeita a determinadas condições, incluindo a avaliação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Momento certo

Quanto à lenta recuperação do setor de vestuário, indicada por analistas, Birman afirma que os números do terceiro trimestre da Arezzo devem mostrar uma realidade diferente. "Nossa recuperação está em linha com o que havíamos previsto, principalmente quando olhamos a questão omnichanel (multicanalidade)", afirma. Um relatório recente do banco Citi reduziu as estimativas de vendas para 2021 e 2022 da companhia "em função da recuperação mais lenta das lojas", o texto dizia que não se esperava que o e-commerce em ascensão compensasse essa lenta retomada. Ainda assim, o crescimento das vendas digitais foi ressaltado.

Para o analista da Necton, Gabriel Machado, o movimento de incorporação da Reserva é acertado. Ele ressalta a posição saudável de caixa da empresa e diz que a Arezzo está com "bom apetite". Nesse sentido, o lançamento oficial do marketplace do grupo, previsto para daqui a três semanas, é outro caminho importante para cumprir a ambição da companhia de se tornar um ecossistema de moda do segmento premium.

Para o Credit Suisse, a compra também é interessante. Os analistas Victor Saragiotto e Pedro Pinto comentam que a aquisição mostra que a Arezzo persegue uma estratégia clara de crescimento: a de expandir seu portfólio de marcas para se tornar uma "casa" de diferentes nomes, consolidando o mercado de vestuário direcionado a clientes de maior renda. "Isso poderia criar uma avenida de crescimento para a Arezzo &Co no mercado doméstico, diversificado seu mercado endereçável, principalmente à luz de sua participação já alta no segmento de calçados femininos de preço elevado", escrevem./COLABOROU MATHEUS PIOVESANA

Tudo o que sabemos sobre:
Arezzomoda

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.