Argentina acerta segunda revisão do acordo com FMI

O ministro de Economia da Argentina, Roberto Lavagna, já acertou com o representantes do Fundo Monetário Internacional (FMI) a aprovação da segunda revisão do acordo assinado em janeiro passado, segundo fontes do ministério de Economia. Lavagna se reuniu nesta manhã com o auditor-chefe do caso argentino, John Thornton, e com o chefe da missão, John Dodsworth, para analisar os pedidos de perdão do governo pelo não-cumprimento do compromisso de vetar a suspensão das execuções hipotecárias e a manutenção dos planos de competitividade (isenções e reduções de impostos para alguns setores). As fontes do ministério afirmaram que a missão haveria indicado ao ministro que o organismo concederia o perdão em função do cumprimento à risca das metas monetária e fiscal. A Assessoria de Imprensa do ministério informou que não haverá nenhum comunicado oficial sobre o assunto, o que deverá ser feito pelo próprio FMI, em Washington. A missão deixará Buenos Aires nas próximas horas, levando um relatório sobre as contas públicas para que a diretoria aprove a revisão e dê início às negociações para o próximo acordo.Próximo acordoMesmo antes de iniciar a negociação, o FMI e a equipe econômica já demonstram diferenças sobre a forma e a duração do próximo acordo. Para o FMI, conforme declarações de Anoop Singh, diretor do Hemisfério Ocidental, o acordo deveria ser de médio prazo para dar sustentabilidade ao programa econômico. Porém, o ministro de Economia acredita que o melhor para o país, neste momento, seria uma extensão do atual acordo, que expira em 30 de agosto, de setembro até dezembro, segundo as fontes. Lavagna gostaria de prorrogar os vencimentos do segundo semestre deste ano e negociar um acordo amplo a partir de janeiro de 2004, com as variáveis econômicas melhores definidas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.