Argentina causa frisson em Viena ao protestar de biquíni

Evangelina Cardoso, uma escultural ativista argentina do Greenpeace, usando um biquíni, se intrometeu entre os 60 governantes que posavam para a foto oficial da cúpula de Viena com um cartaz em protesto contra as fábricas de celulose que provocaram uma polêmica entre Uruguai e Argentina.A ativista, que se apresentou como "rainha do carnaval da cidade de Gualeguaychú", se credenciou como jornalista para a IV Cúpula da União Européia, América Latina e Caribe. Assim, ela conseguiu passar por todos os controles de segurança e entrar no centro de convenções do Reed Messe Wien, sede do fórum.Evangelina Cardoso se separou do grupo de jornalistas, tirou a roupa diante dos 60 líderes que se preparavam para a foto e ficou só com um atrevido biquíni preto, com miçangas coloridas.Chávez gostouEm meio à surpresa geral, a jovem mostrou um cartaz com a frase "Basta de fábricas de celulose poluentes. Greenpeace". O presidente venezuelano, Hugo Chávez, disse pouco depois à imprensa ter sido o "único" que aplaudiu Cardoso. Ele perguntou a um repórter argentino se tinha sido ele quem tinha levado a ativista à cúpula. O repórter respondeu, brincando: "Foi o presidente Kirchner".Após chamar a atenção de chefes de Estado e jornalistas, a jovem foi detida pelos agentes de segurança austríacos, que a retiraram do local.Antes de ser detida, a ativista explicou a jornalistas que o Greenpeace queria pedir ao governo uruguaio que interrompa a construção das fábricas de celulose, e que "não minta ao povo". As fábricas "contaminam o ambiente e o povo não quer sua construção", disse. Montevidéu e Buenos Aires estão há mais de um ano em conflito por causa das fábricas. Sua construção tem provocado fortes protestos por parte de organizações ambientalistas como o Greenpeace. A organização alega supostos danos ambientais causados pelo projeto, na cidade uruguaia de Fray Bentos, na fronteira com a Argentina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.