Argentina: clima e greve devem provocar queda em área com trigo

Qualquer redução na área plantada terá impacto direto sobre as exportações

Fabíola Gomes, da Agência Estado,

12 de maio de 2008 | 20h25

A área plantada com trigo na safra 2008/09 deve ter forte queda na Argentina por causa do clima seco e do conflito entre os produtores e governo, afirmam analistas.  Qualquer redução na área plantada terá impacto direto sobre as exportações, já que o governo limitou os embarques na tentativa de assegurar os embarques e os baixos preços no mercado interno.  Embora o pico ocorra entre junho e julho, o plantio do trigo precoce já começou nas áreas mais ao norte, onde o clima seco domina.  Na sexta-feira, a Bolsa de Cereais de Buenos Aires divulgou estimativa de queda de 8% na área plantada em 2008/09, para 450 mil hectares. "A campanha de plantio de trigo está em situação complicada, com o conflito entre o governo e os fazendeiros, além de um clima muito seco em grandes áreas", explicou a bolsa em nota.  Entretanto, o clima seco é mais crítico que os efeitos provocados pela greve, disse Sean Cameron, presidente da associação dos produtores de trigo da Argentina, Aaprotrigo. Se os níveis de umidade forem retomados, é possível que a produção fique em linha com a safra 2007/08, mas se não ocorrerem chuvas até meados de junho, o plantio poderá recuar até 15%, segundo Cameron.  "A janela de plantio está diminuindo e as perspectivas de chuva não são nada promissoras", informou a bolsa. A previsão climática aponta clima seco, associado ao La Niña, pelos próximos três meses. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ArgentinaTrigo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.