Argentina cria normas para proteger reservas

O Banco Central argentino anunciou uma bateria de medidas para engrossar as reservas e incrementar sua participação no mercado de câmbio, através da restrição da venda de dólares ao público e da captação de mais divisas por parte dos exportadores. Os bancos com mais de 50 filiais, que antes tinham um limite de US$ 500 mil dólares diários para vender, agora poderão negociar somente com um máximo de US$ 300 mil dólares por dia. Para as entidades com menos de 49 filiais, o limite passou de US$ 300 mil para US$ 150 mil dólares. As demais entidades financeiras e casas de câmbio passaram de um teto de US$ 200 mil para US$ 150 mil dólares.Por outro lado, para captar mais dólares, o BC também reduziu de US$ 500 mil para US$ 200 mil dólares, o montante mínimo a partir do qual os exportadores são obrigados a vender ao Banco Central suas divisas que entrem no país, através da venda de seus produtos. Outra medida anunciada trata da posição geral de dólares nas casas de câmbio. A partir do dia 9 deste mês, "as casas de câmbio que registrem ativos externos em sua posição geral de câmbios num valor superior ao equivalente em dólares a US$ 1,5 milhão, deverão depositar o excedente em conta no Banco Central", diz a norma.Os analistas afirmam que as medidas darão maior poder de fogo ao BC para manter o valor da moeda. O BC entregava às entidades US$ 5,5 milhões por dia. Este número ficou reduzido a pouco mais que US$ 3 milhões diários. O BC ainda limitou os chamados "capital andorinha", que em português seria mais "urubu", com uma medida similar à do Chile, que impede a entrada e saída brusca de divisas. Não se poderá tomar dinheiro emprestado no exterior com um prazo inferior a 90 dias corridos. As divisas tomadas emprestadas deverão ser liquidadas no próprio BC. Tais medidas visam fechar as possíveis filtrações de dólares que prejudica o difícil trabalho de recuperação das reservas e prepara o terreno para uma briga com o mercado, caso o governo não consiga fechar um acordo com o FMI, o que pressionaria fortemente o câmbio.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.