Argentina culpa setor rural por fracasso no acordo

Para o governo argentino de Cristina Fernández de Kirchner, que enfrenta o segundo locaute agropecuário em apenas cinco meses de gestão, os agricultores estão "loucos". A declaração é do chefe de Gabinete da Presidência da Argentina, Alberto Fernández, que criticou os representantes do campo por terem "perdido uma grande oportunidade de dialogar e encontrar uma solução com o foco colocado no dia 25 e no Acordo do Bicentenário". Nessa data, a Argentina comemora o primeiro governo pátrio, e Cristina quer lançar um acordo social pela governabilidade. "Não sei o que fazer para entrar em acordo com esse povo", reclamou Fernández em entrevista à Rádio 10, referindo-se aos líderes ruralistas. O ministro disse ter "a certeza de que, desta vez" o governo não tem culpa pelo fracasso das negociações. Ele afirmou que propôs a discussão das retenções (impostos de exportações). "A coisa fracassou porque eles não quiseram" discutir nos termos apresentados pelo governo, alegou. Fernández também disse que a Casa Rosada sempre teve boa disposição para dialogar e lamentou o locaute agropecuário. Fernández complementou as declarações da presidente Cristina, ontem, de que o governo não vai ceder às "extorsões" do campo. Neste sentido, o vice-presidente da Sociedade Rural (SRA), Hugo Biolcati, que assumirá a entidade a partir de setembro próximo, afirmou que "não existem dúvidas de que o governo possa agüentar (o conflito) mais tempo que todos nós". Segundo ele, o poder do governo é maior porque "maneja nossos fundos e sua capacidade financeira é ilimitada". Mas provocou: "Nós temos dignidade."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.