finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Argentina desafia tribunal dos EUA e deposita pagamento da dívida

A Argentina depositou o pagamento de 161 milhões de dólares em juros de bônus junto a uma entidade local nesta terça-feira, disse o ministro da Economia, Axel Kicillof, desafiando o juiz norte-americano Thomas Griesa, que declarou desacato do país na véspera por adotar medidas ilegais para cumprir suas obrigações.

JORGE OTAOLA, REUTERS

30 de setembro de 2014 | 15h02

O país sul-americano quer mostrar que consegue honrar sua dívida e que o não pagamento, em julho, aos detentores da dívida reestruturada após o default de 2002 foi resultado de decisões judiciais dos Estados Unidos.

"Ao fazer esse depósito, a Argentina confirma novamente seu comprometimento inquebrantável de cumprir todas as suas obrigações junto aos credores", informou o Ministério em comunicado.

Não ficou claro quantos credores receberão o pagamento de juros antes do prazo de 30 de setembro sem a assistência de intermediários financeiros estrangeiros, o que pode violar as determinações do tribunal dos EUA se eles ajudarem a Argentina.

Se os fundos não chegarem aos credores, um prazo de 30 dias deve ser desencadeado, após o qual o default, que atualmente envolve apenas os bônus Discount, se estenda aos títulos Par.

O banco central depositou o pagamento de juros de seus bônus Par, regidos pela lei internacional, no Nación Fideicomisos após o governo remover o banco que estava encarregado da operação anteriormente, o Bank of New York Mellon, em uma tentativa de contornar as decisões do tribunal dos EUA.

O default de julho da Argentina veio após o juiz Thomas Griesa bloquear no fim de junho o pagamento de juros, ordenando que o país pague totalmente um pequeno grupo de hedge funds norte-americanos que rejeitaram os termos da troca de dívida em 2005 e 2010 antes de fazer o pagamento da dívida reestruturada.

Tudo o que sabemos sobre:
ARGENTINADIVIDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.