Argentina deve adotar pesificação total

O governo dá claros sinais de que possui o objetivo de transformar em pesos todos os depósitos do sistema financeiro que estão em dólares, quebrando a promessa do presidente Eduardo Duhalde de devolver os depósitos na moeda em que foram realizados. O primeiro sinal dado neste sentido foi a decisão de entregar em pesos os saques das contas em dólares, anteriormente permitidos em até US$ 500 mensais. Agora, esta idéia foi reforçada com o anúncio das novas medidas de flexibilização do "corralito" que aumentou de 3.000 para 5.000 mil pesos o teto para pesificar de depósitos feitos em contas poupança em dólares.Anunciada à noite, a flexibilização dará maior disponibilidade de seus fundos a 78% dos depositantes que aceitarem converter os dólares depositados em pesos pelo câmbio oficial de 1,40. Com isso, poderão utilizar os fundos para transações através dos bancos, por meio de cheques, transferências e cartões de crédito, sem tirar o dinheiro do sistema.No Ministério de Economia, a informação é de que as medidas buscam a incrementação da circulação de pesos no sistema financeiro. A pesificação total da economia é a medida mais alentada pelo ministro Jorge Remes Lenicov e ainda não está descartada. A pressão popular, com ameaças de panelaços, levou o presidente Eduardo Duhalde a postergar este objetivo da equipe econômica.As medidas permitirão que os depósitos em dólares que forem pesificados possam ser transferidos para contas poupança ou corrente. Não haverá limites para movimentar este dinheiro desde que tenha um destino específico, como o pagamento de salários, impostos pagamento de faturas de cartão de crédito. O governo pensava em proibir a compra de dólares com cheque mas abandonou a idéia e decidiu apenas maior rigidez na identificação do comprador que deverá preencher formulários e apresentar identidade.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.