Argentina deve flexibilizar saques hoje

O Ministério de Economia postergou para hoje o anúncio sobre o aumento do limite de saques das contas-salários de 1000 para 1500 pesos mensais. Também haverá um novo teto para os saques das contas de autônomos que subirá de 1000 para 1200 pesos por mês. Neste sentido, o ministro Jorge Remes Lenicov conseguiu um acordo com os bancos somente na noite de ontem, quando já era tarde para fazer o anúncio oficial da flexibilização dos depósitos que inclui o cronograma para a devolução dos mesmos.Pelo cronograma, a partir de março ou abril começariam a ser devolvidos os depósitos inferiores a 5000 pesos, em pequenas parcelas divididas em seis vezes. Os depósitos em dólares, neste mesmo valor, começariam a ser liberados em julho. As cifras maiores que estas poderiam começar a ser devolvidas em maio, porém em parcelas superiores a seis vezes.Os bancos ainda não chegaram a um acordo com o governo sobre a compensação que querem obter por conta da pesificação das dívidas. No encontro entre o ministro Lenicov e os representantes da Associação de Bancos da Argentina (ABA) - que reúne os principais bancos estrangeiros que operam na Argentina, incluindo o nacional Galícia -, a entidade limitou-se a emitir um comunicado à imprensa de que não haveria declarações por falta de uma decisão.A queda da rentabilidade dos bancos por causa da pesificação das dívidas e da manutenção dos depósitos em suas moedas de origem será compensada por um imposto de aproximadamente 20% sobre as exportações de petróleo. Segundo uma fonte de um banco, a ABA quer o pagamento de US$ 15 bilhões, mas o governo pensa em pagar somente US$ 6 bilhões.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.