Argentina deve pedir ajuda extra ao FMI

O vice-ministro de Economia, Jorge Todesca, confirmou que o governo argentino pedirá ajuda financeira extra ao FMI para "fortalecer as reservas e poder deixar o dólar flutuar mais serenamente". Segundo ele, todos esses processos de desvalorização são acompanhados por uma "forte assistência financeira extraordinária como foi a ajuda concedida ao México durante o efeito Tequila", disse completando que "em geral os custos associados a esses processos giram entre 15% a 20% do PIB dos países", concluiu Todesca.Desde ontem, o chanceler Carlos Ruckauf está cumprindo uma extensa agenda em Washington e Nova York. Hoje, por exemplo, se encontrará com o secretário de Tesouro dos EUA, Paul O´Neill, e com o secretário de Estado, Colin Powell. Ruckauf manterá esses encontros sem ter um plano econômico para oferecer em troca de possível apoio.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.