Argentina deve voltar a exportar trigo em 5 de maio

A Argentina deverá voltar aexportar trigo a partir de 5 de maio, de acordo com umcomunicado do governo argentino enviado a exportadores. A data da retomada das exportações veio a público depois desucessivos adiamentos para o retorno dos embarques. Uma porta-voz da Secretaria de Agricultura afirmou que osexportadores poderão registrar novas vendas externas já apartir de 21 de abril. "Se houver a liberação (para embarques) até o dia 5 (demaio), seria uma maravilha, mas não sabemos ainda os volumes, aquantidade mensal", afirmou um corretor de São Paulo que pediupara não ser identificado. A paralisia nas exportações argentinas prejudicaespecialmente o Brasil, que busca no país vizinho a maior partedo trigo importado. Os estoques do cereal no Brasil, que está na entressafra,devem atingir níveis mínimos no final de maio, segundo fontesda indústria. Segundo o corretor, se as exportações realmente voltarem aocorrer em 5 de maio, deixarão as empresas em situação "bemmais confortáveis, elas poderiam comprar o argentino a preçosmenores" do que os obtidos no hemisfério norte. Embora o governo brasileiro tenha zerado a Tarifa ExternaComum (TEC) do Mercosul para compras de trigo fora do blococomercial, numa cota de 1 milhão de toneladas até 30 de junho,ainda assim comprar na Argentina é vantagem para os moinhosbrasileiros, que importando dos EUA ou Canadá pagam um fretemais caro, além da taxa de Marinha Mercante (25 por cento sobreo valor do frete). Apesar de reclamar das incertezas sobre as exportações detrigo do país vizinho, o presidente do Conselho Deliberativo daAbitrigo (Associação Brasileira da Indústria do Trigo), LuizMartins, admitiu que, se confirmada a decisão, deixa os moinhosem uma "situação mais confortável". A demora para a reabertura das vendas externas do produtoargentino levou empresas brasileiras a buscarem algunscarregamentos do cereal em países do hemisfério norte. O mercado estima que o Brasil já comprou neste ano cerca de300 mil toneladas de trigo dos Estados Unidos e do Canadá --amaior parte das importações são norte-americanas. PÃO E FARINHA A Argentina é o quarto maior exportador mundial de trigo,mas o governo tem restringido as vendas ao exterior para evitaro aumento dos preços de produtos básicos como pão e farinha,como parte de uma investida para controlar a inflação. Em uma nota a exportadores de grãos datada de sexta-feira,o governo explicou que ampliou o congelamento de novosembarques de trigo após discussões entre os líderes agrícolas ea presidente Cristina Fernandez de Kirchner. A reabertura dos registros de exportação de trigo é uma dasdemandas mais importadores dos produtores, que recentementerealizaram uma paralisação de três semanas. Os produtoressuspenderam o protesto por 30 dias no dia 2 de abril paranegociar com o governo. A Argentina havia anunciado a reabertura parcial doregistro de exportação em janeiro, mas retomou a suspensão duassemanas depois, originalmente até 17 de março e depois até 8 deabril. Agora os registros devem ser reabertos em 21 de abril. A Secretaria de Agricultura da Argentina estima que aprodução de trigo da safra 2007/08 alcançará 15,4 milhões detoneladas. Os produtores terminaram a colheita em janeiro. Até sexta-feira, os exportadores tinham registrado 7,05milhões de toneladas de venda da safra 2007/08. O consumo interno de trigo na Argentina está estimado emcerca de 6 milhões de toneladas, portanto analistas acreditamque a Argentina ainda tem cerca de 2 milhões de toneladas detrigo para exportação. (Por Helen Popper, em Buenos Aires; reportagem adicional deRoberto Samora, em São Paulo)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.