NICHOLAS KAMM/AFP
NICHOLAS KAMM/AFP

Argentina diz que só busca crédito com FMI

O ministro da Economia argentino, Nicolas Dujovne, negou que negocia uma linha de crédito com o Tesouro dos Estados Unidos ou procura outras fontes de financiamento fora do FMI

O Estado de S.Paulo

06 Setembro 2018 | 04h00

A Argentina não está buscando outras fontes de financiamento fora do Fundo Monetário Internacional (FMI) para ajudar na redução da crise econômica, disse o ministro da Economia do país, Nicolas Dujovne, na quarta-feira, 5.

Ele se recusou a fornecer detalhes, embora tenha negado notícias de que a Argentina negocia uma linha de crédito com o Tesouro dos Estados Unidos ou procura outras fontes de financiamento fora do FMI.

A Argentina solicitou ao FMI desembolsos antecipados em fundos de emergência de um empréstimo de US$ 50 bilhões aprovado no início deste ano. O país foi atingido por uma das maiores taxas de inflação do mundo e uma crise cambial que tem visto o peso desvalorizar mais de 50% até agora este ano.

Dujovne reuniu-se com a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, na terça-feira e disse que fizeram grande progresso e esperam alcançar um resultado até o fim de setembro. “Eu tenho uma enorme confiança no progresso que fizemos nestes dias”, disse Dujovne durante uma entrevista coletiva em Washington, após seu segundo dia de negociações com o FMI.

“A reformulação do programa (do FMI) nos ajudará a deixar para trás essas dias de angústia e volatilidade e permitirá, lentamente, a abertura do crédito na Argentina”, apontou Dujovne. “Vai abrir as portas para o financiamento privado e dessa forma, poderemos voltar ao caminho do crescimento.”

Dólar

O banco central argentino ofertou US$ 100 milhões, que foram totalmente absorvidos pelo mercado. O BC agiu depois de o dólar subir e tocar 39 pesos. A ação foi suficiente para acalmar os ânimos dos investidores, em meio a expectativa por um acordo complementar com o FMI. Com isso, o dólar se firmou em queda ante o peso argentino, encerrando o dia cotado a 38,62 pesos, de 38,96 pesos na fim da tarde de terça-feira. / AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.