REUTERS/Enrique Marcarian
REUTERS/Enrique Marcarian

Argentina e credores italianos chegam a acordo sobre dívida

Governo aceitou pagar cerca de US$ 900 milhões a 50 mil credores; segundo ministro das Finanças, valor representa cerca de 15% da dívida da Argentina que não foi reestruturada

O Estado de S.Paulo

02 Fevereiro 2016 | 17h11

O ministro de Finanças da Argentina, Alfonso Prat-Gay, afirmou nesta terça-feira, 2, que o governo argentino o seus credores italianos que não aceitaram a reestruturação da dívida do país chegaram a um acordo preliminar sobre os pagamentos pendentes.

Segundo Prat-Gay, o governo argentino aceitou pagar cerca de US$ 900 milhões a 50 mil credores italianos. O acordo, disse o ministro, representa cerca de 15% da dívida da Argentina que não foi reestruturada após a moratória de 2001.

O acordo é o primeiro passo do presidente Mauricio Macri no sentido de resolver uma longa disputa com credores que fecharam as portas dos mercados financeiros globais à Argentina na última década.

Cerca de 93% dos credores da Argentina concordaram em trocar seus bônus não honrados em 2005 e 2010 por novos títulos com desconto - cada dólar passaria a valer US$ 0,33. Os 7% restantes que mantiveram os papéis antigos na intenção de obter melhores acordos, incluindo credores italianos e fundos americanos, processaram a Argentina em Nova York exigindo pagamento integral.

De acordo com Prat-Gay, o governo argentino deseja resolver essa disputa "o mais rápido possível". Ele afirma que o principal obstáculo para se chegar a um acordo com os demais credores é determinar o quanto de juros deve ser pago sobre o valor principal. "Alguns credores querem uma taxa de juros que é legalmente inaceitável sob qualquer critério." (Com informações da Dow Jones Newswires).

Mais conteúdo sobre:
Argentina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.