Argentina encerra hoje maior troca de títulos da história

Com o encerramento da operação de reestrutruração da dívida pública com os credores privados, o governo do presidente Néstor Kirchner encerra hoje 1.159 dias de calote argentino. A expectativa dos analistas é que o governo obterá uma adesão de mais de 70% dos credores, que aceitariam trocar seus títulos velhos, em estado de calote, pelos novos, reestruturados.Informações extra-oficiais indicavam que o Ministério da Economia havia apurado que na manhã da quinta-feira as adesões aproximavam-se de 70%.Os cálculos mais otimistas indicam que o governo conseguiria uma adesão de até 85%.No entanto, o resultado oficial da troca de títulos somente será anunciado na quinta-feira que vem, segundo declarou o Ministro da Economia, Roberto Lavagna.Informações extra-oficiais sustentam que o próprio presidente Néstor Kirchner faria o anúncio do fim do calote, com toda pompa, na Casa Rosada, o palácio presidencial.O default argentino é o maior da história mundial. A reestruturação da dívida envolve US$ 81,8 bilhões em títulos velhos, que serão reduzidos para uma faixa que oscilará entre US$ 38,8 bilhões e US$ 41 bilhões. Os 152 títulos em estado de calote serão substituídos por um grupo de três novos bônus. A nova dívida terminaria de ser paga no ano 2047.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.