Argentina espera acordo com o FMI em um mês

O vice-ministro de Economia argentino, Jorge Todesca, estima que dentro de um mês poderá fechar um acordo com o FMI, para conseguir uma nova ajuda financeira. Perguntado por uma rádio de Buenos Aires quanto tempo levariam as negociações com o FMI, Todesca disse que "num horizonte de um mês poderia ser". O vice-ministro disse também que este ano "não será de crescimento econômico, mas se a bomba em que se converteu o curralzinho (bloqueio de saques) financeiro for desativada na metade de 2002, poderemos começar um novo período de suave recuperação". Para Todesca, este primeiro semestre será crucial para flexibilizar o congelamento parcial dos depósitos bancários e, com isso, "o segundo semestre não seguiria apresentando quedas". "Se cortamos mal um cabo, a bomba explode", disse o vice-ministro, para justificar os "cuidados" que o governo está tomando para encontrar as soluções que resolvam a crise argentina. Ele admite que, se os depósitos fossem liberados de uma só vez, o sistema financeiro quebraria.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.