finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Argentina está forte contra turbulências, diz ministro

Apesar das acusações de manipulação da inflação, do aumento do gasto público em quase 60%, das inúmeras denúncias de corrupção e do período pré-eleitoral que estimula um certo nervosismo no mercado local, o ministro de Economia da Argentina, Miguel Peirano, garante que o país está sólido para enfrentar a turbulência dos mercados financeiros. "Todos os fatores permitem garantir que estão dadas as condições para afastar as conseqüências da volatilidade internacional", disse Miguel Peirano em relação ao temor de que a crise no setor de crédito imobiliário norte-americano de alto risco contamine os demais países. A turbulência global provocou uma fuga massiva de capitais dos países emergentes e a Argentina foi o mais afetado da região.Em entrevista coletiva à imprensa, no início da tarde, Peirano destacou a solidez dos principais indicadores econômicos argentinos: o crescimento de 8,4% da economia durante o primeiro semestre, o superávit comercial de US$ 5 bilhões nos primeiros seis meses de 2007, o superávit fiscal em torno de 3% do PIB e as reservas internacionais de quase US$ 44 bilhões. "Argentina apresenta uma solidez macroeconômica inédita", afirmou.No entanto, as perdas na Bolsa de Buenos Aires chegam a 18% nas três últimas semanas, enquanto o peso argentino caiu cerca de 3% no mesmo período.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.