Argentina estuda ampliar barreiras a produtos brasileiros

Além das barreiras aos eletrodomésticos, a Argentina quer discutir as importações brasileiras de máquinas agrícolas, frangos, móveis e autopeças. "Se não houver uma autolimitação do Brasil em máquinas agrícolas e se o acordo de frangos não for concluído, teremos que aplicar medidas unilaterais", disse uma fonte da Secretaria de Indústria da Argentina. Segundo o governo argentino as importações de máquinas agrícolas brasileiros aumentaram em quase 180% no primeiro trimestre deste ano, comparando com o mesmo período do ano passado. De acordo com a fonte, dentro de aproximadamente 10 dias estará pronta a regulamentação da resolução pela qual a Argentina impôs o fim das licenças automáticas para a entrada dos eletrodomésticos brasileiros. Após a regulamentação, afirmou a fonte, se não houver um acordo entre os setores privados, a Argentina poderá acabar com as licenças automáticas para as importações em qualquer momento e para qualquer produto.A reunião de negociação entre o setor de eletrodoméstico em Buenos Aires já dura mais de cinco horas. O presidente da Câmara de Indústrias de Refrigeração da Argentina, Carlos Martín Chantré, disse que há impasse nas negociações de refrigeradores e máquinas de lavar roupa e que o acordo de fogões está fechado. A delegação do Brasil, representada pela coordenadora de Comércio Exterior da Associação Nacional dos Fabricantes de Eletroeletrônicos, Maria Teresa Bustamante, negou-se a falar com a imprensa.O secretário-executivo do Ministério de Desenvolvimento, Márcio Fortes, está reunido com o secretário de Indústria, Alberto Drumond, e com o ministro da Economia, Roberto Lavagna. Segundo a fonte da secretaria de Indústria, o assunto principal da reunião é revisão do acordo automotivo do Mercosul.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.