Agustin Marcarian/Reuters
Agustin Marcarian/Reuters

Na Argentina, falta de diesel já prejudica transportadoras e produtores rurais

Empresas registram dificuldades para conseguir abastecer em 19 das 24 províncias do país, o que vem afetando a atividade nos setores de transporte e agrícola

EFE

07 de junho de 2022 | 17h35

A escassez de diesel na Argentina se agravou e se propagou para grande parte do país, afetando várias atividades econômicas, principalmente o transporte de cargas, segundo relataram fontes empresariais.

De acordo com dados divulgados na segunda-feira, 6, pela Federação Argentina de Entidades Empresariais de Transporte de Carga (Fadeeac), entre 25 de maio e o último domingo, 19 das 24 províncias do país apresentaram problemas de abastecimento de diesel, combustível utilizado em máquinas agrícolas, caminhões e ônibus de passageiros.

O "mapa de abastecimento" elaborado pela entidade empresarial mostra que, com exceção das províncias produtoras de hidrocarbonetos do sul do país, os demais distritos registram dificuldades no acesso ao combustível.

A escassez de diesel é uma realidade há dois meses, quando os produtores rurais informaram que não tinham combustível suficiente para colher suas lavouras e depois transportá-las para locais de armazenamento e portos de exportação. Nos últimos dias, essa escassez agravou-se e alastrou-se pelas regiões do centro e do norte do país.

Odisseia para transportadores

"O panorama está cada dia mais complicado. A produção agrícola e industrial, que já sofre com atrasos, será ainda mais afetada se a situação atual não for revertida", alertou o presidente da Fadeeac, Roberto Guarnieri.

De acordo com o "mapa de abastecimento" atual, há 14 distritos - incluindo as quatro províncias mais populosas do país e a cidade de Buenos Aires - marcados em "vermelho", onde há muito pouco ou nenhum fornecimento aos postos.

Em outras quatro províncias em situação “laranja", a oferta média é de 20 litros por veículo devido à imposição de cotas, quando um caminhão precisa de entre 35 e 40 litros para percorrer 100 quilômetros, uma distância curta dada a enorme extensão do país.

Junto com a escassez, há atrasos que afetam a operação do transporte de cargas.

Segundo a Fadeeac, 29,6% dos transportadores tiveram que esperar mais de 12 horas para abastecer combustível; 28,9% entre 3 e 6 horas; 24,4% entre 6 e 12 horas; e 17% entre 2 e 3 horas.

"Não podemos cumprir nossos compromissos em tempo hábil e empregos são perdidos devido à incerteza gerada pela falta de abastecimento normal. Os motoristas perdem horas de descanso para ficar na fila e ver se têm sorte de conseguir algum combustível", declarou Guarnieri.

Economias regionais em xeque

Por sua vez, o presidente da Confederação Argentina de Médias Empresas (Came), Alfredo González, advertiu que a falta de diesel "está colocando em xeque as economias regionais", razão pela qual pediu uma "solução urgente" para evitar que a crise afete ainda mais a alta inflação que a Argentina já está registrando.

“As denúncias que nos chegam de diferentes partes do país são graves porque estão afetando a operação dos produtores”, alertou González.

Os meses de colheita e de envio de grãos ao porto são tradicionalmente de aumento na demanda por diesel na Argentina, o que normalmente se reflete em uma alta nas importações deste combustível neste período.

Desta vez, no entanto, o país enfrenta um cenário de falta de divisas e preços internacionais de energia excepcionalmente altos.

Em meio à crescente demanda de agricultores, industriais e transportadores, o governo da Argentina prometeu na semana passada aumentar as importações de diesel para normalizar a oferta.

Governo planeja aumentar importações

Para enfrentar a situação, o governo da Argentina planeja importar diesel para aliviar a escassez que afeta transportadores de cargas em várias províncias do país.

O chefe de Gabinete da presidência, Juan Manzur, disse em uma entrevista coletiva na semana passada que o governo "vai garantir" o abastecimento desse "insumo estratégico".

Após conversar com o secretário de Energia, dirigentes da petroleira estatal YPF e o ministro de Economia, ele ressaltou que "há a vocação e a decisão de importar mais óleo diesel".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.