Argentina faz nova proposta para sair de moratória

O governo da Argentina anunciou na segunda-feira sua oferta para reestruturação da dívida externa de cerca de US$ 100 bilhões (mais de R$ 280 bilhões) que não vem sendo paga há quase três anos. Segundo a agência Reuters, o ministro da Economia argentino, Roberto Lavagna, disse que a Argentina vai emitir até US$ 41,8 bilhões em novos bônus em troca dos que não vêm sendo pagos. A troca deverá ser completada até 17 de janeiro de 2005.A Argentina suspendeu o pagamento da dívida com credores privados em dezembro de 2001, quando a crise econômica no país chegou ao auge. "Não me parece ser uma oferta atraente. Certamente está muito abaixo do que a Argentina pode pagar, segundo consenso geral", disse à Reuters Hans Humes, co-presidente do Global Committee of Argentina Bondholders (comitê de credores), que diz representar detentores de US$ 37 bilhões em bônus.Crise de 2001A crise na Argentina culminou com a suspensão dos pagamentos da dívida e com o fim da política de câmbio fixo, que manteve o valor do peso atrelado ao dólar por uma década. Embora a economia do país tenha voltado a crescer, o problema para pagar a dívida ainda existe e representa um dos principais desafios para o governo do presidente Néstor Kirchner.A Argentina tem sido pressionada pelo FMI (Fundo Monetário Internacional) e pelos governo de países ricos para realizar uma "negociação séria" com os credores. Itália, Alemanha e Japão têm demonstrado maior interesse em ver algum progresso nas negociações. Os três países têm milhares de cidadãos que investiram em bônus do governo argentino.Autoridades argentinas, no entanto, afirmam que o país não tem condições para oferecer uma proposta melhor. Mesmo se o governo pudesse apresentar uma oferta mais generosa aos credores, isso provavelmente teria um efeito negativo no cenário político argentino. A proposta do país será agora analisadas pelos órgãos reguladores do setor financeiro nos Estados Unidos, antes de ser formalmente entregue aos credores, que terão de dar uma resposta à oferta nas semanas seguintes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.