Argentina libera trigo para exportação ao Brasil

Medida permitirá que o mercado brasileiro respire um pouco mais aliviado da recente falta do produto

ARIEL PALACIOS, Agencia Estado

31 de julho de 2008 | 12h38

Três dias antes da chegada do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à capital argentina, o governo da presidente Cristina Kirchner anunciou uma liberação parcial das exportações argentinas de trigo. Esta medida permitirá que o mercado brasileiro - altamente dependente do cereal produzido na Argentina - possa respirar um pouco mais aliviado da recente falta que sofreu do produto. No total, o diretor do Departamento Nacional de Controle Comercial Agropecuário (Oncca), Ricardo Etchegaray, liberou hoje o envio de 900 mil toneladas. Esse volume irá quase integralmente ao Brasil.As vendas argentinas ao exterior de trigo estiveram sob fortes restrições desde dezembro do ano passado. A limitação foi imposta pelo governo da presidente Cristina para forçar a queda do preço no mercado interno, e assim, tentar reduzir a escalada da inflação, o principal pesadelo da atual administração. Para complicar, entre março e junho o governo esteve em intenso confronto com o setor ruralista, fato que paralisou as decisões sobre a liberação das exportações.Apesar de ser o principal parceiro comercial da Argentina e o maior sócio do Mercosul, o Brasil também foi duramente atingido por essas medidas. O mercado brasileiro consumiu no ano passado 10,25 milhões de toneladas de trigo. Desse total, importou 6,6 milhões. A Argentina - que produz 16 milhões de toneladas - foi a principal fornecedora do produto, ao exportar ao Brasil 5,63 milhões de toneladas. As vendas argentinas de trigo ao mercado brasileiro em 2007 representaram 85,5% do total que o Brasil comprou no exterior.Nos últimos meses, o mercado brasileiro estava recebendo o cereal argentino a conta-gotas. Isso estava gerando uma alta de preço dos produtos elaborados com trigo, como o pão francês e massas.

Mais conteúdo sobre:
trigoArgentina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.