Argentina mantém impostos, mas promete redistribuição

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, disse hoje em discurso na Casa Rosada que o governo manterá os impostos variáveis sobre as exportações agrícolas (retenções), mas prometeu redistribuição social. Segundo ela, um decreto determinará que todas as retenções acima de 35% serão repassadas da seguinte forma: 60% para os hospitais públicos, 20% para habitações rurais e 20% para rodovias rurais."Não se pode falar de federalismo ou co-participação de impostos sem redistribuição de rendas extraordinárias dos setores que mais lucro têm no país", disse Cristina, em referência aos produtores rurais que defendem a criação de uma país federal e distribuição dos impostos da com as províncias. Cristina também anunciou que a redistribuição desses impostos será feita com a participação dos governadores. O setor rural reivindicava redução das alíquotas dos impostos de exportações, dos atuais 44% para 35% para a soja, e a volta das alíquotas fixas, sem variar de acordo com os preços internacionais dos grãos.No discurso, Cristina pediu perdão por qualquer ofensa durante os três meses da crise entre seu governo e o setor agropecuário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.