Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Argentina não deu calote no Bird, diz presidente

O presidente da Argentina, Eduardo Duhalde, admitiu hoje que se a Argentina não fechar o acordo com o FMI dentro de um mês, terá "dificuldades", devido ao fato de que o país conta ainda com 30 dias para pagar o Banco Mundial antes que sejam cortados os desembolsos dos créditos já concedidos. Ele disse que somente após 180 dias sem pagar a dívida do Bird é que a Argentina daria o calote com o organismo multilateral.Pouco antes de viajar para a República Dominicana, o presidente deixou clara, durante entrevista à imprensa, a intenção de continuar negociando com o FMI para fechar um acordo que postergue todos os vencimentos da dívida com os organismos multilaterais deste ano e de 2003 para evitar o calote.Duhalde disse que ainda faltam alguns requerimentos do Parlamento para fechar o acordo, que já tem a parte técnica praticamente fechada. "Queremos que as províncias corrijam seus déficits, não tenham mais bônus (as moedas paralelas). Amanhã chegará o ministro de Economia, Roberto Lavagna, e na segunda convoquei todos os governadores e líderes das bancadas para que decidam o que faremos", disse.Duhalde afirmou que o FMI cedeu na exigências em relação ao arrocho, ao dizer que "tem desaparecido das reclamações tudo o que tem a ver com ajustes, mas subsistem temas como a lei de Falências, que precisa adequar-se aos parâmetros internacionais".O presidente reafirmou que a Argentina continua negociando com o FMI porque "tem a firme decisão de assumir seus compromissos, uma vez fechado o acordo". Duhalde disse que a Argentina não tem condições de pagar agora porque colocaria em risco a política monetária e a recuperação da economia. "Pagar hoje seria arriscado", afirmou Duhalde. "O FMI pede algumas coisas que cremos não serem necessárias. A negociação é dura, não vamos nos comprometer com coisas que não podemos cumprir. Deve haver um acordo político que sustente o acordo", disse. "Os governadores que terão que decidir se acordamos com o Fundo".

Agencia Estado,

14 de novembro de 2002 | 17h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.