Argentina negocia com vários credores, diz ministro

O ministro da Economia da Argentina, Amado Boudou, confirmou hoje que negocia com os detentores de títulos da dívida que não entraram na reestruturação concluída em 2005. Mas negou que os detalhes da negociação estejam definidos. "Estamos mantendo conversações com bancos e fundos credores destes bônus, mas não entramos numa estratégia definitiva para solucionar o problema", disse, durante entrevista aos correspondentes estrangeiros em Buenos Aires. Boudou também afirmou que a negociação com Clube de Paris será concluída até o fim deste ano. Ele afirmou que, antes de definir as bases do entendimento, pretende separar os fundos especuladores da operação.

MARINA GUIMARÃES, Agencia Estado

21 de setembro de 2009 | 12h06

"Temos uma tarefa prévia, que é a de preparar um instrumento para separar os fundos abutres (especuladores) dos detentores que não entraram (na reestruturação) por alguma recomendação ou decisão, que terminou sendo equivocada e tenha interesse em entrar num acordo." De acordo com Boudou, "não há nada definido, não há taxa de juros decidida, nem data. São só especulações o que tem saído nos jornais". Porém, ele confirmou que uma das propostas analisada é do Banco Barclays. "Barclays é um das propostas que estamos estudando, mas há várias instituições que estão trabalhando nas propostas", ressaltou, esclarecendo que, "certamente, a proposta da Argentina vai ser pior para os credores do que foi a de 2005", quando houve um corte de 70% do valor da dívida.

Tudo o que sabemos sobre:
Argentinadívida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.